Assalto e ônibus incendiado mostram falência do governo Sartori/PMDB

onibus_cruzeiro

No dia 20 de dezembro, o suposto secretário de Segurança Pública do RS, Cezar Schirmer, declarava que a agressão do Batalhão de Choque aos servidores, entre eles policiais civis, que protestavam pacificamente na Praça da Matriz, tinha sido feita com seu apoio e consentimento. Quinze dias depois, nesta quarta-feira (4), um grupo de assaltantes promoveu um arrastão em um ônibus na Vila Cruzeiro, Zona Sul de Porto Alegre. Após assaltar os passageiros, os assaltantes ordenaram que todos descessem e colocaram fogo no veículo.

onibus_cruzeiro2Não é a primeira vez que ônibus são incendiados durante o governo Sartori/PMDB. No ano passado, vários veículos foram incendiados, causando, inclusive, a interrupção na circulação dos coletivos. Desta vez, o suposto secretário de Segurança Pública, Cezar Schirmer, não foi até os meios de comunicação para dar declarações desastradas. Preferiu se recolher e não comentar o assunto. Mas seria o caso de perguntar: quem se responsabiliza pela segurança da população gaúcha?

Quando da votação do Pacote do Sartori/PMDB, na Assembleia Legislativa, um contingente enorme de policiais, tanto do Batalhão de Choque quanto do BOE, foi deslocado para a Praça da Matriz. Toda essa mobilização policial tinha um único objetivo: supostamente proteger os deputados de “perigosos” manifestantes, que estavam lá para defender seus direitos que estavam sendo atacados pelo governador Sartori/PMDB. Com o fim da votação, os policiais sumiram das ruas de Porto Alegre e a população, que necessita muito mais do que os deputados da proteção da polícia, ficou entregue à própria sorte, tendo que enfrentar assaltos e ônibus incendiados.

No último dia do ano, foi registrado, em Porto Alegre, o 34º latrocínio do ano na Capital. Um número 47,8% maior do que o registrado no ano anterior e um recorde histórico. Esse descontrole da violência vai além da atuação do suposto secretário de segurança. Ele é resultado de uma política desastrosa do governo Sartori/PMDB em todas as áreas. Hoje podemos dizer que não existe uma única área do governo do estado que mereça elogios. A educação está aos pedaços, a saúde é uma calamidade, as políticas sociais inexistem e, como consequência, a segurança pública vive a maior crise da história do estado. Porém, ao invés de centrar sua atuação na melhoria dos serviços públicos, a única preocupação do governo do estado é em aprovar seu Pacote de Maldades na Assembleia Legislativa. Pacote este, que vai piorar ainda mais a situação, já calamitosa, dos serviços públicos que são prestados à população.

Essa situação de descontrole da violência não é nenhuma surpresa para os gaúchos. No momento em que o governador Sartori/PMDB entregou a Segurança Pública nas mãos de alguém sem a mínima qualificação para o cargo, privilegiando seus laços de amizade e o loteamento partidário para o PMDB, sabíamos que a situação, que já era grave, ia piorar. As projeções para o futuro são as piores possíveis. Infelizmente, o ano de 2017 tende a ser pior do que os dois primeiros anos do governo Sartori/PMDB. O trágico dessa situação, é que mais mortes vão ocorrer, a população vai continuar amedrontada presa dentro de suas casas e a violência vai bater novos recordes no nosso estado. Enquanto isso, o suposto secretário de segurança vai estar na Assembleia Legislativa exercendo seu papel de articulador político do governador Sartori/PMDB.