Com presos em viaturas, rua em frente à DPPA de São Leopoldo é bloqueada

Por RENATA STRAPAZZON / Jornal VS

A Rua João Alberto no trecho em frente à Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de São Leopoldo teve o trânsito bloqueado na manhã desta terça-feira (20) pela Guarda Civil Municipal (GCM). A medida foi tomada por segurança, já que a delegacia enfrenta, novamente, superlotação nas celas, com presos sendo mantidos custodiados em viaturas estacionadas nas calçadas.  No trecho está sendo permitida a passagem apenas para moradores locais. Não há previsão de quando a situação será normalizada.

Até as 10 horas, 10 pessoas eram mantidas nas celas no interior da delegacia, entre elas oito homens, uma mulher e um adolescente. Em viaturas da Brigada Militar e da GCM outros quatro homens aguardavam a transferência para o sistema prisional. Um dos detentos está há seis dias na delegacia à espera por uma vaga no presídio.  

Segundo o Sindicato dos Escrivães, Inspetores e Investigadores de Polícia do RS, Ugeirm, 91 presos , superlotam as celas das delegacias de polícia da Capital e da Região Metropolitana nesta manhã. “Após sete anos de protestos, ainda convivemos com cenas que envergonham o nosso estado, com presos algemados, durante dias, em viaturas estacionadas na frente das delegacias”, pontua, em nota, o sindicato. 

Nesta quinta-feira (22), representantes do Ugeirm e do governo do Estado deverão debater soluções para o problema em uma audiência pública, marcada pelo Tribunal de Justiça do RS a partir de um pedido do sindicato. “Esperamos que finalmente, o governo do Estado apresente uma solução definitiva para esse problema. Não é mais possível, conviver com essa situação. É inaceitável que cheguemos ao fim de mais um governo, e cenas de presos algemados em viaturas policiais por vários dias e celas de delegacias lotadas de presos, colocando a vida dos policiais e da população em risco, continuem fazendo parte do cotidiano da nossa categoria. A Ugeirm estará presente na audiência, cobrando do governo o cumprimento da Decisão Judicial que determina o esvaziamento imediato das celas das delegacias de polícia”, destaca o vice-presidente do sindicato, Fábio Castro.