Comunidade protesta contra fechamento de escola em Porto Alegre determinada pelo governo estadual

Instituição com 50 anos foi fechada, e seus alunos transferidos para outras duas escolas. Governo informa que escolas não podem ser abertas durante a vigência do ano letivo.

Uma comunidade da Zona Sul de Porto Alegre protestou neste sábado (7) contra o fechamento da Escola Estadual Alberto Bins, uma das seis que deixaram de funcionar esse ano na capital. A instituição de ensino funcionava há 50 anos.

A medida, anunciada pela Secretaria Estadual de Educação no início do ano, tem como justificativa a queda no número de matrículas. Segundo dados da pasta, nos últimos 15 anos a quantidade de estudantes baixou de 1,5 milhão para 900 mil. Para a secretaria, essa redução tem relação com a baixa na natalidade no estado.

A comunidade demonstrou insatisfação. Lúcia Almeida esperava que a filha estudasse no Alberto Bins, mas foi transferida para outro colégio, onde o acesso é mais difícil. “No momento nós estamos com dificuldade de levar ela até o colégio. [a escola Alberto Bins] É mais perto da vila, da comunidade, eu estudei aqui, minhas irmãs estudaram, então para nós foi uma perda grande esse colégio estar fechado”, diz Lúcia.

Em protesto, um grupo de artistas fez a grafitagem do muro da escola, pedindo que o local continue sendo usado para a educação e atendimento à comunidade da Vila Cruzeiro, onde faltam espaços de cultura e lazer.

A Secretaria Estadual de Educação, através de sua assessoria de imprensa, informou que as escolas não podem ser fechadas, e nem abertas, durante o ano letivo. Os alunos foram transferidos para outras duas escolas. A área onde fica a Alberto Bins será repassada ao INSS.