Festival Palco Giratório 2018 anuncia programação que destaca Teatro da Vertigem

Se o momento é de desafios para os artistas no Brasil, o 13º Festival Palco Giratório Sesc/POA vai na contramão do pessimismo e anuncia sua programação com uma ode à longevidade de importantes companhias teatrais. Entre os dias 4 e 26 de maio, apresentarão trabalhos no festival os grupos Teatro da Vertigem (SP) e Cia. dos Atores (RJ), completando 25 anos; Armazém Cia. de Teatro (RJ) e Cia. Stravaganza (RS), ambas com 30 anos; e a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz (RS), fazendo 40 anos.

Os ingressos para os mais de 50 espetáculos da programação, que ocorrerão em diferentes espaços da Capital, começam a ser vendidos nesta quarta-feira (18) nas unidades Sesc do Rio Grande do Sul e pelo site sesc-rs.com.br/palcogiratorio. Os preços variam entre R$ 10 e R$ 20 (veja o serviço completo ao final).

Entre os destaques trazidos pelo festival, o Teatro da Vertigem é o mais aguardado, tanto por sua importância no teatro contemporâneo como pela raridade com que se apresenta em Porto Alegre. Depois de dois anos de conversas com a equipe do Palco Giratório, o Vertigem retorna com o inédito por aqui O Filho, que se inspira no (e atualiza o) livro Carta ao Pai, de Franz Kafka. Seguindo as experimentações do grupo com o espaço cênico, o espetáculo será realizado de 6 a 10 de maio em uma estrutura montada no ginásio do Sesc Protásio Alves (Av. Protásio Alves, 6.220). O elenco será completado por seis atores selecionados na Capital em um laboratório que tem inscrições abertas até 26 de abril pelo e-mail palcogiratoriosesc@sesc-rs.com.br.

Enquanto isso, a Armazém Cia. de Teatro, do diretor Paulo de Moraes, com inúmeros trabalhos apresentados em Porto Alegre, mostrará pela primeira vez aqui sua versão de Hamlet (9 e 10/5 no Teatro Renascença), em uma montagem com 140 minutos de duração. Também do Rio, a Cia. dos Atores traz Insetos (11 e 12/5 no Teatro do Sesc Centro), com texto do elogiado dramaturgo carioca Jô Bilac, que traça uma metáfora dos pequenos seres com a sociedade atual, e direção de Rodrigo Portella – que por sua vez também dirige Tom na Fazenda (12 e 13/5 no Renascença), sobre um publicitário que vai ao funeral do companheiro e descobre que a sogra não sabia que o filho era gay.

Enquanto a edição anterior do Palco Giratório evidenciou reflexões sobre a política no Brasil, na esteira dos acontecimentos dos últimos anos, em 2018 o foco segue crítico, mas será exemplificado pela presença de temas como representatividade, lugar de fala e igualdade de oportunidades. Questões de gênero e crítica ao racismo serão articuladas por diferentes espetáculos, como observa Jane Schoninger, coordenadora e curadora do festival:

– Estamos falando de pessoas e grupos marginalizados, com inserção social quase nula. É a questão da periferia, dos negros, dos pobres, mas periferia não só no sentido geográfico, e sim daquele lugar que não é legitimado pela classe média, branca, socialmente privilegiada. Essas falas são muito potentes. Queremos colocar também a questão das mulheres, das desigualdades, dos injustiçados, enfim, questionar o que é correto e o que não é.

A lista de espetáculos que discutem esses temas inclui O Jornal – The Rolling Stone, dirigido por Kiko Mascarenhas e Lázaro Ramos (19 e 20/5 no Teatro do Sesc Centro), sobre uma história de amor proibido – o título faz referência a um periódico de Uganda que, em 2010, incitou os leitores a enforcar cem homossexuais.

Já o empoderamento feminino é trazido por atrações como o solo Quarto 19 (4 e 5/5 na Sala Álvaro Moreyra), com Amanda Lyra, dirigido por Leonardo Moreira (da Cia. Hiato, de São Paulo), sobre o mal-estar de uma mulher casada e com filhos, e o show musical Mulamba (25 e 26/5 no Theatro São Pedro), em que a banda homônima, formada por cantoras e musicistas, interpreta um repertório que ressignifica o lugar da mulher na sociedade. Os temas estarão também nas ações formativas, já uma tradição no festival.

13º Festival Palco Giratório Sesc/POA

  • De 4 a 26 de maio em diferentes espaços de Porto Alegre
  • A venda de ingressos acontece em todas as unidades do Sesc no Estado e pelo site sesc-rs.com.br/palcogiratorio. Em Porto Alegre, o atendimento presencial é no Sesc Centro, de segunda a sexta, das 8h às 19h45min (durante o festival, até as 15h para a apresentação do dia), e aos sábados, das 8h às 13h.
  • Durante o festival, os ingressos disponíveis serão vendidos também na bilheteria de cada local de espetáculo, uma hora antes do início da sessão.
  • Os ingressos custam R$ 10 (comerciários com Cartão Sesc/Senac, estudantes, classe artística e maiores de 60 anos), R$ 15 (empresários com Cartão Sesc/Senac) e R$ 20 (público em geral).