Governo retira quórum com medo de derrota e não vota Pacote de Maldades

Pelo segundo dia consecutivo, o governo Sartori/PMDB não conseguiu os votos necessários para aprovar as PECs que atacam os direitos dos servidores públicos e retirou o quórum para impedir sua derrota no Plenário. Na terça-feira (04), o governo já tinha sofrido uma derrota, ao não conseguir votos para aprovar suas propostas e adiar a votação para essa quarta-feira (05).

A sessão tinha começado pela manhã, em convocação extraordinária, e prosseguiu por todo o dia. Mesmo com as intensas movimentações da base governista, tentando convencer os parlamentares do PDT a votar nas propostas do Pacote do Sartori/PMDB, o governo preferiu retirar o quórum da sessão no fim da tarde, para não ser derrotado. Em certo momento da sessão, o governo acreditava que conseguiria os votos necessários para votar a PEC 261, que impede a utilização do chamado Tempo Ficto na concessão de gratificações e adicionais. A partir de uma emenda acordada com o PDT, o governo acreditava que conseguiria aprovar a matéria. Porém, mesmo com essa emenda, que continuava sendo prejudicial ao serviço público, ao só garantir o direito aos servidores atuais e acabando com o direito para os novos servidores, o governo não conseguiu os votos necessários, pois uma parte da bancada do PDT manteve-se ao lado dos servidores, que se pronunciaram contra o Projeto mesmo com a Emenda, e se negou a votar com o governo. A UGEIRM também se posicionou contrária a essa Emenda, pois entende que é extremamente prejudicial ao serviço público a criação de diferenciações dentro da mesma carreira. Por esse motivo, o sindicato defendeu e conseguiu a adoção da Tabela de Subsídios para a carreira policial, impedindo esse tipo de distorção.

A sessão foi tensa, com uma grande presença de servidores nas galerias, pressionando os parlamentares e cobrando coerência, principalmente da bancada do PDT. Em seu pronunciamento, o deputado Marcel Van Hatten (PP) chegou a utilizar de grosseria, recebendo em resposta uma manifestação das galerias que virou de costa durante o discurso do deputado.

Ao final da sessão, o líder do governo tentou cancelar a votação dos projetos amanhã. Diferente do que o governador Sartori/PMDB divulgou em vídeo, quando disse que queria enfrentar a pauta e colocar em votação imediata o Pacote, a sua base está com medo de ser derrotada e vai tentar adiar novamente a votação. Isso mostra que o único objetivo do governo é atacar os direitos dos servidores. A manobra do governo só não foi possível, pela pressão dos servidores e da posição dos parlamentares da oposição, que exigiram a continuação da votação nesta quinta-feira (6). Com isso, a votação prossegue amanhã, com o governo tentando conseguir os votos necessários para aprovar suas propostas, entre elas as PECs que oficializam o atraso de salários e o calote no 13º dos servidores públicos.

Por outro lado, os servidores prometem continuar ocupando as galerias e pressionando os deputados a rejeitar o Pacote na íntegra. O presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, pede a presença dos policiais na assembleia nesta quinta-feira (06). “Temos que continuar lotando as galerias. A presença dos policiais é fundamental. Somos uma categoria com grande poder de pressão sobre os parlamentares, pelo nosso respaldo junto a população e nossa capacidade de luta. Vamos enterrar de vez esse Pacote absurdo do governo Sartori/PMDB. O governo já mostrou que tem medo do voto, então vai tentar de tudo para convencer os deputados, oferecendo vantagens e fazendo pressão. Temos que pressionar também os deputados. Por isso, nessa quinta-feira é dever dos policiais lotar as galerias da Assembleia Legislativa”.