Mais de 100 presos superlotam as carceragens das Delegacias de Polícia do estado

Essa manchete poderia ter sido feita há sete anos atrás. Mas, infelizmente, ela é atual e ilustra o que acontece nesta segunda-feira (19), nas Delegacias do nosso estado. São exatamente 113 presos, superlotando as celas das Delegacias de Polícia da Capital e da Região Metropolitana do Rio Grande do Sul.

São mais de sete anos de denúncias da UGEIRM, alertando para os riscos que os (as) Policiais Civis do nosso estado correm, ao enfrentar essa realidade. Denúncias na imprensa, pedidos ao Ministério Público, ao Judiciário, ao Executivo e ao Legislativo, se tornaram rotina na atuação do sindicato. Infelizmente, muito pouco foi feito para que essa realidade se tornasse parte do passado. Mesmo com decisões favoráveis por parte do Judiciário, com ações do Legislativo e com promessas do Executivo, chegamos a julho de 2021 com mais de 100 presos lotando as celas das Delegacias. Após sete anos de protestos, ainda convivemos com cenas que envergonham o nosso estado, com presos algemados, durante dias, em viaturas estacionadas na frente das Delegacias.

Audiência de conciliação entre UGEIRM e Governo discutirá soluções para o problema

No dia 22 de julho, a UGEIRM e o Governo do estado sentarão frente a frente, para debater soluções que possibilitem a retirada de todos os presos das delegacias do estado. A Audiência pública, foi marcada pelo Tribunal de Justiça do estado, a partir de um pedido da UGEIRM.

O Vice-presidente da UGEIRM, Fabio Castro, espera que “finalmente, o Governo do estado apresente uma solução definitiva para esse problema. Não é mais possível, conviver com essa situação. É inaceitável que cheguemos ao fim de mais um governo, e cenas de presos algemados em viaturas policiais por vários dias e celas de delegacias lotadas de presos, colocando a vida dos policiais e da população em risco, continuem fazendo parte do cotidiano da nossa categoria. A UGEIRM estará presente na Audiência, cobrando do governo o cumprimento da Decisão Judicial que determina o esvaziamento imediato das celas das delegacias de polícia”.