MST anuncia que manterá arroz orgânico a um preço justo

Da Redação (*)

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), maior produtor de arroz orgânico da América Latina, anunciou que o produto cultivado nos assentamentos no Rio Grande do Sul seguirá sendo vendido a um preço justo à população, no momento em que as grandes empresas que controlam o comércio estão aumentando os preços. Só na última safra foram colhidas 15 mil toneladas de arroz orgânico, sendo que várias destas foram destinadas para doações desde o início da pandemia do novo coronavírus. Participam da produção do alimento 364 famílias, de 14 assentamentos, situadas em 11 municípios gaúchos.

Segundo o MST, neste contexto de pandemia, os pilares que guiam os assentados e acampados são as doação de suas produções e o plantio de árvores. O Movimento afirma que esta é a forma que os Sem Terra encontraram de seguir lutando, contra o desmatamento, o alto índice de agrotóxico liberado pelo atual governo, a fome e a crise sanitária que tão fortemente atinge os brasileiros.  “Nós temos a agroecologia que nos guia. Ou seja, preservamos o meio ambiente, nosso solo, a nossa água, pois sabemos que somos passageiros, e que a próxima geração também precisa dessa terra”, diz Emerson Giacomelli, da direção da Cooperativa dos Trabalhadores Assentados da Região de Porto Alegre (Cootap). “Valorizamos toda  a cadeia produtiva. Ou seja, quem produz, beneficia, transporta, revende até chegar no consumidor com um preço que seja possível adquirir”, acrescenta Giacomelli.

Arroz orgânico Terra Livre

Conforme Giuliano Ferronato, diretor de operações da Corretora Mercado, filiada a Bolsa Brasileira de Mercadorias o principal fator que levou a alta dos preços do arroz foi a exportação. “O arroz brasileiro no mercado internacional estava muito mais barato do que de outros países”, afirma. Ele ainda menciona, que somente neste ano, o Brasil exportou 1 milhão e 100 mil toneladas de arroz, um aumento de 20% em relação ao ano passado.

O governo brasileiro não tem nenhum controle sobre o comércio de arroz para fora do país na exportação do alimento. “Não tem uma taxação desse produto quando é destinado para exportação, e importação ele tem sim. Hoje o arroz fora do bloco Mercosul é taxado em 12% em casca”, pontua Ferronato.

Segundo Nilton Cesar de Oliveira, técnico do Instituto Rio Grandense do Arroz (IRGA) outro fator que contribui é a falta de estoque regulador do governo, e com isso o aumento da exportação do arroz, impactando no estoque.

Confira locais de venda do arroz orgânico do MST pelo país:

Loja da Reforma Agrária (15)  | Mercado Público – Porto Alegre 

Fone: 51 999814837 | 51 30234057

Redes sociais

Instagram – @lojareformaagraria

Facebook – Loja da Reforma Agrária

Cootap | Eldorado do Sul – RS

Fone: 51 3181-0305

Redes sociais

Instagram – @terralivreagroecologica

Facebook – Terra Livre Agroecológica

E-mail: vendas@cootap.com.br  | comercial@cootap.com.br

Coopan | Nova Santa Rita – RS

E-mail: coopan@coopan.com.br

Redes Sociais

Instagram – @coopanrs

Facebook – Cooperativa de Produção Agropecuária Nova Santa Rita

Coopat | Tapes – RS

Fone: (51) 9994-6162 | 51 9559-5616

Redes Sociais

Instagram – @coopat_tapes

Facebook – Coopat

Email: sac@coopat.com.br

Armazém do Campo São Paulo 

Fone: (11) 3333 0652

Redes Sociais

Instagram – @armazemdocampo.sp

Facebook – Armazém Do Campo Produtos Da Terra

Email: armazemdocamposp@gmail.com

Armazém do Campo Rio de Janeiro 

Fone: (21) 99702 9303

Redes Sociais

Instagram – armazemdocampo.rio

Facebook – Armazém do Campo – RJ

Armazém do Campo Recife 

Fone: (81) 99673 4327

Redes Sociais

Instagram – @armazemdocamporecife

Facebook – Armazém do Campo – Recife

Armazem do Campo Belo Horizonte

Email: armazemdocampobh@gmail.com

Fone: (31) 99244 5378

Redes Sociais

Instagram – @armazemdocampobh

Facebook – Armazém do Campo BH

São Luís- Maranhão 

Fone: (98) 99229 0032

Redes Sociais

Instagram – @armazemdocampo.ma

Facebook – Solar Cultural da Terra Maria Firmina dos Reis

(*) Com informações da Página do MST