Policiais Civis se mobilizam contra a Reforma da Previdência

ato_brasilia_capaA retirada do artigo que reconhece a atividade de risco dos profissionais de segurança nos critérios de concessão da aposentadoria, unificou os trabalhadores em segurança pública de todo o Brasil contra a Reforma da Previdência. Depois de realizar um grande Ato em Brasília, que reuniu mais de 5.000 trabalhadores da segurança pública, a unidade para tentar barrar a Reforma da Previdência continua.

Na tarde de sexta-feira (17), as entidades que compõem a União dos Policiais do Brasil (UPB), se reuniram para traçar os próximos passos da mobilização contra a Reforma da Previdência. Após uma avaliação extremamente positiva da Marcha em Defesa da Aposentadoria Policial, as entidades decidiram que o foco, nesse momento, deve ser a pressão sobre os deputados que compõem a Comissão Especial da Reforma da Previdência. A proposta aprovada é realizar uma pressão sobre os deputados em suas bases eleitorais. A partir dos contatos com esses deputados, a UPB pretende realizar uma campanha de mídia, através de materiais gráficos como cartazes e outdoors, denunciando os deputados que se colocarem a favor da retirada da atividade de risco dos profissionais de segurança, como inimigos da segurança pública. Em um momento seguinte, a UPB pretende convocar novas atividades de rua, para conscientizar a população sobre o risco que representará a aprovação da Reforma da Previdência para todos os trabalhadores. No RS, os deputados que integram a Comissão são: Darcísio Perondi (PMDB), Mauro Pereira (PMDB), Pepe Vargas (PT), Heitor Schuch (PSB), Alceu Moreira (PMDB) e Onyx Lorenzoni (DEM).

Policiais gaúchos já mostraram disposição de luta contra a Reforma da Previdência

No que depender dos gaúchos, a proposta, que pretende acabar com a aposentadoria especial dos policiais, não vai ser aprovada facilmente. Mais de 80 policiais civis gaúchos enfrentaram mais de oitenta horas de viagem para mostrar aos deputados federais que, caso aprovem a Reforma da Previdência, terão que enfrentar a mobilização dos policiais. Agentes de todas as regiões do estado, desde o Chuí, se mobilizaram para participar do Ato em Brasília. Na manifestação, uma das principais e mais animada delegação, era a do Rio Grande do Sul. Com muita animação e disposição de luta, os policiais gaúchos, mesmo após mais de quarenta horas de viagem, encheram as ruas de Brasília, cantando palavras de ordem contra a Reforma da Previdência e em defesa da aposentadoria policial.

Para o presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, “essa viagem foi um combustível para continuarmos na luta contra o absurdo que é essa Reforma da Previdência. Vermos colegas, de locais tão distantes, enfrentando tantas horas de viagem para defender os direitos de toda a categoria, renova a nossa disposição para a luta. Agora, é pressionarmos os deputados que vão votar essa Reforma da Previdência. Temos que mostrar para eles que, caso ela seja aprovada, as consequências eleitorais para esses parlamentares será drástica. Quem vota contra o povo não pode se reeleger. Vamos lembrar para eles que ano que vem será ano de eleição e nossa resposta será nas urnas”.