Primeiro dia da Greve é vitorioso com 100% de adesão

O primeiro dia da greve da Polícia Civil, demonstrou a enorme capacidade de mobilização da categoria. Por todo o estado, a adesão foi de praticamente 100% dos Policiais Civis. Em todas as cidades do Rio Grande do Sul, os Agentes cruzaram os braços, mantendo apenas os serviços de emergência e estabelecendo um diálogo com a população, conforme a orientação da Ugeirm.  “Esclarecer as pessoas acerca dos motivos que nos levaram à greve é fundamental. A sociedade é nossa principal aliada nessa luta”, afirma o vice presidente da UGEIRM, Fabio Castro.

População assina abaixo-assinado em apoio à greve

Em várias cidades, policiais coletaram assinaturas em um abaixo-assinado que declara o apoio da população ao movimento grevista. As listas com as assinaturas serão entregues ao secretário da segurança pública. “Com esse gesto, pretendemos demonstrar ao governo a sociedade gaúcha apoia o movimento e exige uma mudança de rumos na segurança pública gaucha”, ressalta a diretora da UGEIRM, Neiva Carla. A UGEIRM informa, ainda, que também fez um abaixo-assinado digital, que pode ser acessado no seguinte endereço www.abaixoassinado.org/abaixoassinados/37888.

Greve tem grande repercussão na imprensa

A mobilização da Polícia Civil teve grande repercussão nos órgãos de imprensa. Além dos veículos da Capital, em boa parte das cidades do interior, a notícia sobre a greve teve grande destaque nos noticiários. Em quase todas as matérias veiculadas, foram entrevistados agentes da Polícia Civil, que explicaram os motivos da greve e expuseram a situação da segurança Pública no nosso estado.

Para o presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, “o primeiro dia de greve foi completamente vitorioso. A categoria se mobilizou, apesar do desgaste de três anos de luta contra os ataques do governo Sartori/PMDB”. Ortiz completa, convocando a categoria a manter a mobilização: “temos que manter a mobilização demonstrada nesse primeiro dia. Sabemos que uma greve forte é aquela que se mantém até o seu final. A pressão do governo vai aumentar e temos que manter a mobilização até o último dia de greve. É nossa mobilização que vai definir o sucesso da mobilização que começou hoje”.