RS tem oito ataques a banco em apenas cinco dias; três foram no Vale do Caí

Duas agências dos Correios também foram alvo de criminosos no mesmo período

Em apenas cinco dias, o Estado teve oito ataques a banco e dois a agências dos Correios. Quatro casos foram registrados nas primeiras horas desta segunda-feira (10) em Maratá e Barão, no Vale do Caí, e em Caxias do Sul e Nova Araçá, na Serra. Em ao menos um dos ataques, os criminosos conseguiram levar o dinheiro dos terminais de caixa eletrônico.

A ousadia foi grande no Vale do Caí, onde os bandidos usaram explosivos nos ataques que tiveram 30 minutos de intervalo entre um e outro. A Polícia suspeita que o mesmo bando tenha responsabilidade nos dois casos. Em ambos, foi usado uma Chevrolet Spin branca.

De acordo com a Brigada Militar, o primeiro ataque aconteceu por volta da 1h30, em Maratá. Cinco homens chegaram no local e, usando explosivos, destruíram a parte onde ficam os caixas eletrônicos. Há suspeita de que eles tenham conseguido acessar o dinheiro dos terminais. Meia hora depois, já em Barão, o alvo foi a agência do Sicredi. O bando fugiu, largando miguelitos no principal acesso à cidade para tentar dificultar a perseguição pela Brigada Militar. Veículos que chegaram à cidade tiveram os pneus furados.

Caixa eletrônico arrastado em Caxias

Em Caxias do Sul, dentro do parque da Festa da Uva, o alvo dos criminosos foi um caixa eletrônico da Caixa Econômica Federal. Os bandidos chegaram a arrastar o equipamento por 50 metros, mas o caixa foi abandonado dentro do próprio parque. O caso aconteceu por volta das 4 horas. Os ladrões também abandonaram uma van roubada. Dentro do veículo, foram encontrados cabo de aço, alavanca de aço e uma marreta.

Já na cidade de Nova Araçá, um grupo de criminosos invadiu a agência dos Correios. Segundo a Polícia, eles cortaram a grade da janela dos fundos do prédio para entrar no local. Como o alarme disparou, os bandidos fugiram sem sucesso.

Ataques desde quinta

No sábado, a agência do Santander de São Sebastião do Caí já havia sido alvo de criminosos. No mesmo dia, horas antes, em Progresso, no Vale do Taquari, dez criminosos atacaram o Sicredi. O bando também usou explosivos para abrir caixas eletrônicos e explodir um cofre. Eles usaram pessoas que estavam pela rua como “escudo humano” durante a fuga. Ninguém foi preso.

Na madrugada da sexta-feira, em Jari, no centro do Estado, as unidades do Sicredi, do Banrisul e dos Correios foram assaltadas por volta das 3h30. Conforme informações da Brigada Militar, foram roubados coletes à prova de bala e revólveres nos cofres das agências. Os equipamentos foram arrombados. Um dia antes, em Gravataí, criminosos também levaram coletes e armas do Banrisul do bairro Morada do Vale I.

Procurado pelo reportagem, o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) ainda não se posicionou sobre os ataques.

Início do ano violento na região

Em 2017, bancos da região também foram alvos de criminosos. Dois dos mais impressionantes aconteceram em Nova Hartz e Parobé, ambas cidades do Vale do Paranhana.

No dia 17 de janeiro, em uma ação que durou seis minutos, bandidos explodiram a agência de Banco do Brasil de Parobé e também tentaram, mas sem sucesso, ataque ao Banrisul. Tiros foram disparados contra a agência e a porta chegou a ser forçada. Além disso, os disparos com fuzil e pistolas contra a BM foram para tentar inibir a chegada dos policiais e não atingiram a sede da corporação.

Cinco dias depois, em Nova Hartz, criminosos atacaram da Caixa Econômica Federal em uma ação definida pela Polícia como rápida, ousada e bem preparada. Na fuga, os bandidos ainda trocaram tiros com a Brigada Militar. Ao menos 16 criminosos, em cinco carros, participaram do ataque que não durou dez minutos. De acordo com o Major João Ailton Iaruchewski, a Polícia acredita se tratar do mesmo bando que atacou, também com uso de explosivos, a agência do Banco do Brasil de Parobé.

Polícia Civil/Divulgação
Criminosos usaram pessoas como escudo na ação

Cordão humano em São Sepé

Em São Sepé, no centro do Estado, a ação dos criminosos foi ainda mais ousada. Após explodir caixas eletrônicos de dois bancos, Sicredi e Banco do Brasil, a quadrilha rendeu pessoas que passavam pelo local, fizeram um cordão humano e trocaram tiros com a Polícia. Um policial e um homem foram baleados. Na fuga, os bandidos ainda levaram duas pessoas como reféns, depois libertadas em um posto de combustíveis em Caçapava do Sul.

O mesmo bando é suspeito de participar de ataques cometidos em 2015 e 2016 nas cidades de Santana da Boa Vista, Barros Cassal e Cerro Grande do Sul.

Fonte: http://www.jornalnh.com.br