Sartori/PMDB faz chantagem com segurança da população gaúcha

 

Em pronunciamento feito na manhã desta segunda-feira (03), o governador Sartori resolveu usar o desespero da população gaúcha com a violência e as mortes de inocentes, como uma última cartada para aprovar o seu Pacote de Maldades na Assembleia Legislativa. O governador condiciona o cumprimento do seu dever, que é garantir a segurança da população, à aprovação da venda das estatais e o ataque aos direitos dos trabalhadores, com a legalização do atraso dos salários e o calote do 13º.

O pronunciamento mostra claramente o desespero do governo Sartori/PMDB. Sabendo que não possui os votos para aprovar as suas propostas, Sartori/PMDB parte diretamente para a chantagem. Mas o que é mais grave: a moeda de troca é a segurança da população, é a vida das pessoas. Não é a primeira vez que Sartori/PMDB usa de chantagem para aprovar seus projetos. Em 2015, para aprovar o aumento de impostos, Sartori/PMDB condicionou o pagamento em dia dos salários dos servidores o aumento da alíquota do ICMS. Os deputados aprovaram a proposta e, de lá para cá, já são 14 meses de parcelamento. Como confiar em um governo que anuncia a previsão de um déficit de mais de R$ 4 bilhões e fecha o ano com R$ 140 milhões de déficit? Em mais de dois anos de mandato, a única coisa que podemos afirmar é: esse é um governo que não prima pela verdade.

Medidas anunciadas já tinham sido anunciadas no ano passado

O grande anúncio do governador em seu pronunciamento, foi a convocação de 500 policiais já aprovados em concursos públicos. Sartori/PMDB esqueceu apenas um detalhe. Isso já havia sido anunciado em 30 de junho de 2016, pelo antigo secretário de segurança Wantuir Jacini. Ou seja, uma notícia requentada, pois esses policiais convocados são apenas as últimas turmas anunciadas em junho do ano passado. No caso da Polícia Civil, serão convocados os últimos 140 policiais já aprovados. Esses colegas já poderiam estar nas ruas, trabalhando, mas, inexplicavelmente, o governo preferiu dividir os 650 aprovados no concurso de 2013 em três turmas diferentes para cursar a Acadepol.

Inclusive, esses policiais já deveriam ter sido chamados no início do governo Sartori/PMDB, pois a convocação já tinha sido aprovada no fim do governo passado. Ao assumir, Sartori cancelou essas convocações, aprofundando ainda mais o déficit do efetivo policial no nosso estado. Muitas mortes poderiam ter sido evitadas, caso o governo não tivesse cancelado a convocação desses policiais no início de 2015.

Objetivo é chantagear e pressionar os parlamentares

O pronunciamento do governador, candidato à reeleição, e do seu suposto secretário de segurança não tem nada a ver com a segurança pública. O objetivo é apenas um: aprovar a venda do patrimônio público e acabar com os direitos dos servidores públicos. Quando condiciona a realização de concursos públicos para a área da segurança pública, a aprovação do seu pacote, que não tem nenhuma proposta para a segurança pública, Sartori/PMDB escancara suas intenções. E essas são claras, é entregar para seus financiadores de campanha o prometido: a entrega do patrimônio público à iniciativa privada.

Pronunciamento não traz nenhuma medida concreta para a segurança pública

Os principais problemas da segurança pública estiveram longe do pronunciamento de Sartori/PMDB e Cezar Schirmer. A crise nas carceragens das delegacias não foi citada, nem de passagem. Quanto a falta de vagas nos presídios, o secretário de segurança citou como única medida, a abertura do presídio federal no estado. Essa “novidade”, não muda em nada a superlotação dos presídios gaúchos, pois servirá para abrigar presos de outros estados, e, na verdade, só traz mais um problema para o nosso estado, criando um intercâmbio entre facções locais e o crime organizado nacional. Enquanto isso, o Presídio de Canoas continua esperando sua conclusão, sem que o governo tome qualquer atitude concreta. Uma política de segurança que combata os latrocínios e o aumento da violência no interior do estado, também passaram longe do Palácio Piratini.

Deputados sabem que Sartori/PMDB promete e não cumpre

Para o presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, “Sartori e Schirmer brincam com a segurança da população. Condicionar a reposição de policiais à aprovação do seu Pacote, é de uma crueldade e irresponsabilidade sem tamanho. O importante, é vermos a que ponto chegou a fragilidade política desse governo. Depender de chantagem com a vida dos gaúchos, para aprovar seus projetos na Assembleia, mostra como a base do Sartori/PMDB está fragilizada. Por isso, é fundamental mantermos a nossa mobilização para derrotarmos o pacote do governo. Temos que mostrar aos deputados que esse governo promete e não cumpre”. Ortiz lembra promessas anteriores: “foi assim com o aumento de impostos e vai ser assim agora. Sartori vai anunciar concursos, mas não vai viabilizá-los, como fez com a SUSEPE. Em junho do ano passado o governador anunciou concurso para Agente Penitenciário, com a promessa de que em março desse ano eles já estariam trabalhando. Já estamos em abril e nem a prova objetiva foi realizada ainda”. Conclui Ortiz.