Secretaria Estadual da Saúde confirma surto de covid-19 em hospitais psiquiátricos

Horas após a publicação de reportagem, na tarde desta sexta-feira (24), em que o Brasil de Fato RS traz a denúncia de trabalhadores da saúde mental sobre um surto de covid-19 entre moradores e usuários do Hospital Psiquiátrico São Pedro e do Hospital Colônia Itapuã, inclusive com mortes registradas, a Secretaria Estadual da Saúde (SES) retornou novamente a solicitação de informações com dados mais atualizados. Os mesmos dados foram informados no site da SES, às 17h59 desta sexta-feira.

Conforme a SES, 32 pacientes do Hospital São Pedro estão com covid-19, todos são moradores de residenciais terapêuticos. Destes, 22 foram assintomáticos, seis estão internados na Enfermaria Clínica do Hospital e quatro estão sendo encaminhados para hospitais de referência para casos de covid. A pasta confirmou ainda que uma paciente moradora dos residenciais terapêuticos de 78 anos veio a óbito.

Em relação ao Hospital Colônia Itapuã (HCI), a SES aponta que foram identificados 15 infectados, entre servidores e moradores, dos quais quatro já estão recuperados. Sete permaneceram assintomáticos e estáveis e outros quatro apresentaram sintomas leves da doença. Dos oito servidores que testaram positivos, quatro já estão recuperados e quatro seguem em isolamento domiciliar. Outros quatro pacientes homens, com idades de 68, 78, 81 e 84 anos faleceram, após internação no Hospital Vila Nova.

A SES também afirma que os protocolos são cumpridos, que não faltam equipamentos, que todos os funcionários assinaram termo de recebimento dos EPIs e que testes rápidos de anticorpo e RT-PCR estão disponíveis nos hospitais, realizados seguindo protocolos das instituições. Na reportagem do Brasil de Fato, os trabalhadores afirmam que há um descaso com os usuários do serviço e com os trabalhadores por parte da direção, que não tem um plano de contingência organizado para combater a contaminação.

Entre diversos problemas relatados, eles destacam que não são realizados testes para todos os trabalhadores que contatam com pacientes com covid-19, faltam protocolos gerais de biossegurança tanto internamente quando em novas internações, equipamentos de segurança individual (EPIs) como máscaras e aventais são insuficientes e distribuídos de forma aleatória, não houve capacitação para uso dos EPIs e não há reposição dos profissionais afastados.