Seis anos depois, incêndio na boate Kiss acumula vítimas entre os pais

Thaiza Pauluze | SÃO PAULO

Seis anos após o incêndio na boate Kiss, em Santa Maria (RS), o saldo de vítimas segue crescendo para além dos 242 mortos atingidos pelo fogo na madrugada de 27 de janeiro de 2013.

Ao menos seis pais morreram em decorrência de doenças que podem ser relacionadas à perda dos filhos. Familiares vivem rotina de depressão e tentativas de suicídio.

“Ele desistiu de viver. Dizia ‘não chama o Samu se eu passar mal’”, conta Vanessa, filha de Renato Vasconcelos, 69, que morreu em casa no dia 30 de dezembro do ano passado. O pai havia perdido Letícia, 36, recepcionista da boate, que voltou à Kiss para salvar um colega e não saiu mais.

No início, Renato era engajado na associação de pais das vítimas, mas a lentidão do processo o deixou consternado. “Vou morrer e não vou ver minha filha ser justiçada”, dizia.

Antes, não tinha um cabelo grisalho, era gordinho. “Agora, estava seco, definhou”, diz Vanessa. O vendedor viu um coágulo se transformar em embolia pulmonar, ignorando a indicação médica de cirurgia.

Lucas, 48, que não quis ter o nome completo divulgado, nunca falou sobre a tragédia. À Folha, escreveu sobre o que viveu. Hoje, mesmo com três remédios diários, “não durmo mais que quatro horas seguidas”, diz o comerciante, que não voltou ao trabalho.

Suas duas filhas, Ritchieli, 19, e Driele, 23, estavam na Kiss e foram levadas com vida para um hospital em Porto Alegre. A mais velha morreu 40 dias após a internação. A mais nova ficou cinco meses em tratamento intensivo.

“Vi minhas filhas sofrerem muito”, conta Lucas, que enterrou Driele sem a presença da irmã e da mãe, Sandra Medianeira Lucas, 50, que já estava internada em Santa Maria tratando um câncer.

“Minha filha aprendeu tudo de novo, comer, andar, falar e até respirar. Quando veio a alta médica, outra derrota.” Sandra morreu dois dias após Ritchieli deixar o hospital. “Perdemos a mãe e companheira, que já tinha desistido de viver”, diz ele sobre Sandra, que decidiu parar o tratamento após saber da morte da filha.

Só no serviço municipal Santa Maria Acolhe, 80 pessoas ainda seguem em tratamento psiquiátrico ou psicológico. Criado à época pela prefeitura com o nome Acolhe Saúde, o serviço chegou a fazer 2.107 atendimentos entre fevereiro e março de 2013.

Carina Corrêa, 40, é uma das que encontrou força na terapia. A ex-auxiliar de nutrição é mãe de Thanise, 18, uma das primeiras vítimas encontradas sem vida. Desolada, Carina tentou suicídio usando remédios, mas foi parar no hospital. Depois, quis matar a outra filha, Camilly, e tirar a própria vida em seguida. Sem coragem de ferir a menina, se cortou várias vezes com a faca e foi hospitalizada de novo.

O segundo baque veio com a morte do avô de Thanise, que sofreu um ataque cardíaco menos de um ano após a tragédia. “Ele chorava muito, de desespero, parou de falar, parou de comer”, conta Carina.

Com estresse pós-traumático, depressão e síndrome do pânico, ela precisou cuidar de Camilly, que descobriu um câncer no pâncreas aos 16 anos —doença comum para os acima de 50. Curada a filha, Carina viu a mãe, Sandra, 62, adoecer com um câncer no intestino. “Seis anos é pouco tempo. Eu vivo aquela noite toda noite”, conta ela.

Carina diz conhecer cinco sobreviventes que, assim como ela, já tentaram suicídio —todos mal sucedidos. Eles se recusam a dar entrevista.

Santa Maria repete o fenômeno visto na vizinha na Argentina. O incêndio da boate República Cromañón matou 194 pessoas e feriu 1.432, em 2004. A sequência é semelhante: pirotecnia em ambiente fechado e teto inflamável, somado a superlotação, falta de saídas de emergência e suborno para evitar vistorias.

Desde a tragédia, 18 sobreviventes morreram, a maioria de suicídio. Dos pais, 27 também morreram, a maior parte vítima de câncer, segundo a ONG argentina Familias por La Vida. “Temos casas vazias pela morte de ambos os pais”, afirma Lila Tello, coordenadora de saúde da organização.

A ONG fez um estudo sobre a problemática da saúde dos sobreviventes e familiares e viu multiplicar casos de problemas de tireoide, diabetes, hipertensão e câncer.

“O sistema imunológico está em estreita relação histoquímica com os processos psíquicos e oncológicos”, diz a médica argentina Silvia Chevel. “Há ligação entre o evento traumático e a doença que ocorre ao longo do tempo. Por isso é importante que o cuidado não seja só nos primeiros anos.” ​

Os familiares gaúchos atribuem a morte da professora Helena Rosa da Cruz, 54, a sua baixa imunidade desde que perdera os dois únicos filhos na Kiss. Mirela Rosa, 21, e José Manuel, 18, tinham ido comemorar os 22 anos da amiga Andrielle Righi da Silva.

“Eu senti que ela desistiu. Tinha a melhor junta médica e tudo para reagir e ela não reagia”, conta a doceira Ligiane Righi da Silva, mãe de Andrielle e amiga de Helena —que deu entrada no hospital com uma gripe em junho de 2015 e não saiu. Agora, a família se limita a uma pessoa: o ex-motorista Delçon Cruz, 55.
“Os pais estão adoecendo e a impunidade só reforça. Essa é outra grande tragédia”, diz Ligiane. “Espero ter saúde para pelo menos ver o primeiro tijolo ser colocado.”

Ligiane se refere aos tijolos do memorial em homenagem às vítimas da Kiss. O projeto ficou pronto no fim do ano passado, mas sua construção segue em compasso de espera.

A associação de familiares e sobreviventes decidiu manter de pé a boate enquanto não forem julgados os quatro réus que ainda respondem pelo incêndio —segundo maior do país em número de mortos. A ideia é levar o júri popular para dentro do local.

O impasse, no entanto, é se haverá um júri para julgar o caso, que sofreu uma reviravolta em 2017. O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul havia decidido que os sócios da boate Elissandro Spohr e Mauro Hoffmann e os integrantes da banda Gurizada Fandangueira Luciano Bonilha e Marcelo de Jesus deveriam ir a júri pelo homicídio de 242 pessoas e a tentativa de homicídio de outras 636.

Um recurso da defesa, porém, foi julgado no fim de 2017 e o tribunal decidiu que eles não irão mais a júri popular —reservado para os crimes mais graves. Desembargadores desconsideraram que tenha havido dolo (intenção).

Alegando que os réus assumiram o risco de matar, o Ministério Público recorreu ao STJ (Superior Tribunal de Justiça). O caso acaba de chegar às mãos do relator, o ministro Rogerio Schietti Cruz.