Sindisaúde protesta contra mudança de protocolo que reduziu testagem no Hospital de Clínicas

Da Redação

Representantes do Sindisaúde realizaram na manhã desta quarta-feira (15) um ato diante do Hospital de Clínicas de Porto Alegre para protestar contra a mudança nos protocolos da instituição com relação aos trabalhadores que testaram positivo para covid-19.

De acordo com o presidente do sindicato, Júlio Cesar Jesien, o Clínicas era o único hospital público de Porto Alegre que vinha seguindo a orientação da Organização Mundial de Saúde de que, para um profissional de saúde que teve covid-19 retornar ao trabalho, deveriam ser realizados ao menos dois testes com resultado negativo. A exigência foi retirada no hospital, que passa, segundo o Sindisaúde, a determinar apenas um afastamento de 14 dias após o teste positivo.

“Os outros hospitais não testavam no retorno do trabalhador, ou seja, em 14 dias ele voltava e não se sabia, e não se sabe ainda, se 14 dias são realmente suficientes para que esse trabalhador não vá contaminar os outros”, disse.

Para Jesien, a mudança aumenta o risco de contágio de outros profissionais da saúde e de pacientes. “A gente insiste e realmente precisa da testagem de todos os trabalhadores da saúde. Enquanto houver trabalhadores circulando, e a gente sabe que o número de assintomáticos é muito grande, a probabilidade é dos trabalhadores estarem contaminando cada vez mais”, disse.

Segundo dados do Sindisaúde, ao menos 390 trabalhadores do Hospital de Clínicas já testaram positivo para covid-19. “Nós já estamos com dificuldades na questão de medicamentos e também a falta de profissionais é uma preocupação para o tratamento das pessoas que vêm positivando para o covid”, afirmou o presidente do sindicato.