Todos na Assembleia para barrar a redução dos salários dos ativos e inativos

O Governador Eduardo Leite sentiu a pressão dos servidores públicos e de boa parte da população gaúcha. Após esticar a corda até o último momento, Leite sentiu que poderia ser derrotado na Assembleia Legislativa, caso colocasse todo seu Pacote em votação. Com isso, resolveu retirar o regime de urgência de seis dos sete projetos que seriam colocados em votação.

Porém, o único projeto que deverá ser votado hoje, ataca de forma dura os (as) Policiais Civis. Se trata do PLC 503/19 que altera o regime da previdência estadual, aumentando as alíquotas para servidores civis ativos e inativos. Esse aumento significará, na prática, uma redução dos salários da categoria. Atualmente, os inativos e pensionistas que recebem até o teto do INSS (R$ 5,8 mil) são isentos. Os demais, assim como os ativos, pagam 14%. Caso seja aprovado o PLC 503, a isenção dos inativos será restrita aos vencimentos inferiores ao salário mínimo nacional (R$ 998). Já os descontos serão ampliados para 14% (remunerações entre R$ 998 e R$ 5,8 mil), 16% (remunerações até R$ 20 mil) e 18% (remunerações acima de R$ 20 mil). Isso significará uma redução considerável dos vencimentos, principalmente para os inativos.

Os Policiais tem que ocupar a Assembleia para barrar a redução salarial

A mobilização massiva do primeiro dia de greve da Polícia Civil já deu resultados. O recuo do Governo, ao retirar o regime de urgência da maioria dos projetos, só aconteceu devido à mobilização dos servidores públicos estaduais. Os deputados estaduais constataram que a maioria da população é contra esse ataque absurdo à segurança pública e a educação. Hoje, é preciso mostrar que a mobilização não parou com a retirada dos outros projetos. A redução salarial, com o aumento das alíquotas, vai atingir todos (as) os (as) Policiais Civis, tanto da ativa quanto os aposentados. A greve já mostrou que é possível derrotar o governo. Caso não consiga aprovar o aumento das alíquotas hoje, Eduardo Leite ficará muito mais enfraquecido para tentar aprovar o restante do seu Pacote em janeiro. Todos na Assembleia Legislativa nesta terça-feira (17), para derrotarmos o Pacote do Retrocesso!