UGEIRM e ABAMF programam série de atividades conjuntas

 As direções da UGEIRM e da ABAMF realizaram, na manhã desta segunda-feira (22), uma reunião para discutir a situação das categorias e da Segurança Pública no estado. A reunião teve como objetivo, elaborar uma resposta conjunta dos Policiais Civis e dos Policiais Militares à situação preocupante em que se encontram os profissionais da segurança pública do estado.

Preocupadas com as recentes mortes de policiais em serviço no Rio Grande do Sul, as entidades debateram questões que, na avaliação das suas direções, têm prejudicado o trabalho dos profissionais em segurança pública e colocado em risco as recentes quedas nos índices de violência. Entre essas questões, o atraso de salários é o mais urgente na avaliação das entidades. A possibilidade do encontro das Folhas de Pagamento, já no mês de julho, e a possibilidade dos salários de julho só serem pagos em setembro, coloca as categorias em alerta. Sem salários, fica aberta a possibilidade da paralisação dos serviços da segurança pública no nosso estado. Algumas alternativas de mobilização foram levantadas na reunião. A deflagração de uma Operação Padrão, que, na Polícia Civil, seria efetivada através da retomada da Operação “Cumpra-se a Lei”, é uma das possibilidades que serão discutidas com os policiais do estado.

Além do atraso dos salários, outras questões foram discutidas pela UGEIRM e pela ABAMF. A reforma da Previdência, com a proposta de criação de uma alíquota extra, que pode elevar a contribuição dos Policiais gaúchos para 22%, é atualmente uma das grandes preocupações dos policiais. A situação dos presos detidos em viaturas e nas celas das delegacias, é outra questão que tem prejudicado de forma aguda o trabalho dos policiais. Combinada com o déficit histórico nas duas instituições, que atingiu o maior nível da história tanto na Polícia Civil quanto na Brigada Militar, essa situação tem colocado em risco a segurança dos policiais e da população que precisa dos serviços das Delegacias, principalmente da Capital e da Região Metropolitana.

Entidades vão estabelecer cronograma de reuniões conjuntas pelo estado

Na reunião desta segunda-feira, as entidades decidiram estabelecer um cronograma de encontros das categorias no estado. A ideia é aprofundar a discussão acerca dos temas debatidos pelas entidades e aumentar a mobilização dos policiais gaúchos. Essas reuniões servirão, também, para estabelecer um diálogo com a população que, no final das contas, é a maior prejudicada pelos ataques recentes aos profissionais da segurança pública.

O presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, ressaltou a importância da integração entre as entidades. “Essa reunião é fundamental para garantir os direitos dos policiais gaúchos. Somente com um diálogo constante entre policiais civis e policiais militares, conseguiremos deter os ataques dos governos federal e estadual. A UGEIRM quer aprofundar essa integração e um dos primeiros passos será a elaboração de um documento conjunto da UGEIRM e da ABAMF. O objetivo desse documento é cobrar do governo do estado o compromisso com a colocação dos salários em dia, com a manutenção da atual alíquota de contribuição para a previdência e com uma solução definitiva para a situação dos presos mantidos em viaturas e celas das delegacias gaúchas. Esse documento será entregue ao governo do estado e divulgado através de uma Carta Aberta para a população do Rio Grande do Sul”.