UGEIRM se reúne com ABAMF e ASSTBM para articular respostas a ataques à Segurança Pública

A direção da UGEIRM se reuniu, nesta quarta-feira (07), com representantes da ABAMF (Associação dos Cabos e Soldados da Brigada Militar) e da ASSTBM (Associação dos Sargentos Subtenentes e Tenentes da Brigada Militar), para traçar estratégias conjuntas de enfrentamento aos atrasos de salários e ao aumento da alíquota da previdência, que representará uma verdadeira redução salarial dos servidores públicos estaduais. Outra grande preocupação manifestada pelas entidades, diz respeito à violência que têm sido vitimas os Policiais Civis e Militares, com um preocupante aumento do número de policiais mortos em serviço.

Essa reunião, dá prosseguimento ao primeiro encontro, realizado no dia 22 de julho, entre a UGEIRM e a ABAMF. Agora, com a participação também da ASSTBM, as entidades aprofundaram a integração no sentido da construção de uma atuação conjunta em defesa dos direitos dos policiais gaúchos. Como primeiro gesto dessa integração, as entidades da Brigada Militar manifestaram seu apoio irrestrito à paralisação da Polícia Civil, programada pela UGEIRM para o dia 30 de agosto, em protesto contra o não pagamento dos salários.

Outra iniciativa conjunta das entidades, será a elaboração de um documento denunciando o prejuízo que a proposta de aumento da alíquota da Previdência, e a consequente redução salarial, trará para segurança pública gaúcha. Esse documento deverá ser entregue aos deputados estaduais, com a exigência que os parlamentares votem contrariamente a qualquer proposta que reduza salários e retire direitos dos policiais. Além desse documento, as entidades estão construindo uma série de atividades de mobilização, com o objetivo de pressionar o governo Eduardo Leite na busca de uma solução definitiva para os seguidos atrasos de salários dos servidores públicos estaduais.

Na reunião, onde estiveram presentes, além dos representantes da UGEIRM, o Vice-presidente da ABAMF, Jairo Rosa, o presidente da ASSTBM, Aparício Santellano, e o Diretor Ricardo Agra, também foi apresentada, a ideia de agregar as Associações Municipais da Brigada Militar na mobilização em defesa dos direitos dos profissionais da Segurança Pública.