Com Mandetta e Teich, CPI da Covid investiga como Bolsonaro atuou a favor do vírus

Rede Brasil Atual

Com os depoimentos dos ex-ministros da Saúde do governo Bolsonaro, a CPI da Covid inicia efetivamente os seus trabalhos nesta terça-feira (4). A partir das 10 horas da manhã, Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich devem revelar aos senadores na CPI da Covid os bastidores da eclosão da pandemia do novo coronavírus no Brasil e como o governo do presidente Jair Bolsonaro agiu, desde o início, para sabotar as medidas recomendadas pela ciência para conter a propagação do vírus no país.

Mandetta foi demitido em abril de 2020, ao resistir a pressões para que a hidroxicloroquina fosse adotada como protocolo de combate à doença. Além disso, Bolsonaro se manifestou contra medidas de isolamento social e chegou a dizer que usar máscara era “coisa de viado”.

“Vamos contaminar logo todo mundo de uma vez”, teria dito Bolsonaro em encontro com o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, durante a inauguração de um hospital de campanha, também em abril. Esse episódio foi relatado por Ugo Braga, ex-assessor de Mandetta, nesta segunda-feira (3) ao jornalista Luiz Costa Pinto.