UGEIRM se reúne com o deputado estadual Tenente Coronel Zucco (PSL/RS)

A direção da UGEIRM realizou, na última quarta-feira (04), uma reunião com o Deputado Estadual Tenente Coronel Zucco (PSL). O objetivo da reunião foi discutir os projetos que serão enviados à Assembleia Legislativa pelo governo Eduardo Leite e a atual situação dos Policiais Civis gaúchos. Entre os temas tratados, constou o atraso de salários, o represamento na publicação das aposentadorias, as ameaças à aposentadoria especial da Polícia Civil e a criação de uma alíquota extra, de até 8%, para a Previdência dos servidores públicos estaduais.

A direção do sindicato apresentou ao parlamentar, os danos que essas propostas causarão para os Policiais Civis gaúchos, com um reflexo direto na segurança pública do estado. Quanto à criação da alíquota extra, os representantes da UGEIRM ressaltaram que os Policiais Civis gaúchos já têm a maior alíquota de contribuição para a Previdência do país, 14%, e, caso seja aprovada a alíquota extraordinária, poderá chegar a ter 22% de desconto nos seus salários, representando uma considerável redução salarial. Em um quadro onde os Policiais Civis têm que conviver com cinco anos de atrasos salariais e um reduzidíssimo contingente, uma proposta como essa representará um claro ataque à segurança pública do povo gaúcho.

O deputado, que se elegeu tendo como principal pauta a segurança pública, se comprometeu a analisar a proposta com bastante cuidado. Porém, já adiantou que é solidário à situação dos policiais e que apoia a mobilização, por entender a importância dos temas colocados. A UGEIRM solicitou ao deputado, que faça a intermediação para uma reunião com a bancada do seu partido, o PSL, para discutir um posicionamento contrário à proposta da alíquota extra e os outros temas apresentados. A reunião com o deputado Tenente Coronel Zucco, foi articulada pelo Delegado Rodrigo Zucco, titular da 2ª DP de São Leopoldo, que também estava presente no encontro.

A mobilização na Assembleia Legislativa é fundamental para barrar essa proposta, que representará um verdadeiro confisco nos salários da categoria. Porém, ela só terá um efeito real, se vier acompanhada de uma grande mobilização da categoria, que deve pressionar os parlamentares em suas bases eleitorais e participar massivamente da Marcha da Polícia Civil, que está sendo convocada para o dia 17 de setembro. Somente com uma grande mobilização, os policiais vão conseguir impedir que o governador Eduardo Leite coloque em prática o seu objetivo, que é utilizar a redução salarial dos servidores para acabar com os atrasos de salários.