Após pressão da UGEIRM, governo anuncia retirada de presos das DPs

O secretário estadual de Segurança Pública, Cezar Schirmer, anunciou nesta quarta-feira (18) que a crise nas carceragens das delegacias vai ter fim até o mês de novembro. A declaração de que o problema será resolvido até novembro, foi feita pelo secretário em uma rede social. – Até o final de outubro, as instituições apresentarão o planejamento e executarão as ações necessárias. Local de preso é no sistema prisional – afirmou. Schirmer teria apresentado aos órgãos da segurança algumas sugestões de medidas. O secretário, no entanto, não forneceu detalhes de como seria esse plano.

O anúncio do goveerno aconteceu no mesmo dia em que o sindicato dos Agentes iniciou a entrega dos pedidos de interdição de 13 delegacias nas regiões Metropolitana e Carbonífera. A UGEIRM começou a entrega pela cidade de São Leopoldo, onde o sindicato esteve na semana passada, durante o feriado, e presenciou a DP ser inundada com os fortes temporais que atingiram a região.

O vice-presidente do Sindicato, Fábio Castro, afirma que “essas 13 delegacias serão apenas as primeiras, por estarem com presos em suas carceragens. Em seguida, começaremos uma campanha onde pediremos vistoria em todas as delegacias do estado. Esse é um problema sério, por colocar em risco a integridade física dos e das agentes, além da população que procura as delegacias para serem atendidas”.

Direção da UGEIRM entrega primeiro pedido de interdição

O presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, a diretora Neiva Carla e o diretor Pablo Mesquita, fizeram a entrega ao prefeito de São Leopoldo, Ari Vanazzi, e ao Corpo de Bombeiros da cidade. O pedido entregue à prefeitura aponta várias irregularidades por conta da inexistência de alvará sanitário do prédio da DPPA. Ari Vanazzi informou que a vistoria será feita na próxima semana.

O documento entregue pela UGEIRM aponta que em dias de chuva, acontecem várias vazamentos pelo forro, o que compromete a estrutura do teto do prédio. Além disso, em decorrência do esgoto que transborda, os policiais civis e as pessoas que frequentam a delegacia, estão expostos ao risco de contágio de doenças. O documento afirma, também, que o prédio está infestado de ratos e baratas. O presidente da UGEIRM, afirma em um trecho do documento que “os policiais têm de trabalhar, comer e dormir em meio a este ambiente insalubre”.

Além dessas condições completamente precárias, o documento da UGEIRM afirma que a permanência dos presos no local agrava a situação. Esses detentos permanecem custodiados pela Brigada Militar em um ônibus desativado, estacionado nos fundos do prédio da DPPA. Esses presos se acotovelam nos corredores e nas celas. Outro trecho do documento afirma que “esses presos permanecem até 30 dias sem banho e alguns já são recolhidos portando vários tipos de doenças que, pela falta de atendimento médico, tendem a se agravar e aumentar o risco de contágio”. O pedido do sindicato é para que que seja feito o levantamento das instalações existentes e das condições para regularização e, se for o caso, a interdição do estabelecimento.

No Corpo de Bombeiros de São Leopoldo, a Ugeirm entregou outro documento onde informa a inexistência de Programa de Proteção Contra Incêndio (PPCI), o que caracteriza um grave irregularidade. O Sindicato relatou que o prédio tem rachaduras, não possui saída nem luz de emergência e que há fortes indício de que a instalação elétrica apresenta problemas graves.