Com 44 óbitos, número de vítimas fatais no Rio Grande do Sul sobe para 3,8 mil

Com 44 óbitos registrados nas últimas 24 horas no Rio Grande do Sul, conforme boletim da Secretaria Estadual da Saúde (SES) divulgado nesta terça-feira (8), sobe para 3.800 o número de vítimas por covid-19. O estado também já registra 144.502 infectados pela doença, em 488 dos 497 municípios, com a confirmação de 558 novos casos pela SES. Dos casos confirmados, 132.856 (92%) são tidos como recuperados. 

A cidade com mais registro de vítimas fatais hoje foi Porto Alegre, com 11 óbitos. As demais foram registradas em Caxias do Sul (5), Novo Hamburgo (5), Esteio (3), Sapucaia do Sul (2), Passo Fundo, Canoas, Gravataí, Alvorada, Viamão, Ijuí, Carazinho, Igrejinha, Cachoeira do Sul, São Marcos, Lagoa Vermelha, Muçum, Butiá, Giruá e Barra do Ribeiro. Santa Barbara do Sul, Selbach, Ernestina registraram seus primeiros óbitos.

Dados da SES continuam sem computar atualização dos casos confirmados na capital gaúcha. Enquanto dados estaduais trazem 18.853 casos de covid-19 em Porto Alegre, o levantamento feito pela Secretaria Municipal da Saúde, atualizado até a noite de ontem, aponta 26.631 contaminados pela doença.

A taxa de ocupação de leitos de UTI no estado estava em 77,1%, às 18h de hoje. Já na Capital a ocupação é de 87,75%.

Mapa definitivo aponta 8 regiões com bandeira vermelha

Após o mapa preliminar apontar 12 regiões com bandeira vermelha na sexta-feira (4), o mapa definitivo semanal do Distanciamento Controlado, divulgado nesta segunda-feira (07), estabeleceu oito regiões em vermelho.  As outras 13 estão classificadas como de risco epidemiológico médio, em bandeira laranja.

Foram recebidos sete pedidos de reconsideração no fim de semana. As regiões de Palmeira das Missões e Erechim tiveram seus pedidos de reconsideração indeferidos pelo Gabinete de Crise e permanecem na bandeira vermelha. Somam-se às regiões Covid de Capão da Canoa, Novo Hamburgo, Canoas, Porto Alegre, Santo Ângelo e Cruz Alta, que não enviaram recurso e também continuam na bandeira vermelha. Todas as oito regiões em vermelho já aderiram ao sistema de cogestão e adotam protocolos próprios.

Até o momento o estado tem 184 municípios sob bandeira vermelha, o que corresponde a 47,6% da população gaúcha (5.394.294 habitantes). Desse total, 90 municípios não tiveram registro de hospitalização e óbito por covid-19 de morador nos 14 dias anteriores ao levantamento – equivalente a 3,6% da população gaúcha (410.320 habitantes).

Veja aqui o levantamento completo da 18ª rodada do Distanciamento Controlado após as reconsiderações.

Brasil possui mais de 127 mil vítimas fatais

Conforme o Conselho Nacional de Secretarias de Saúde (Conass), foram registrados, nesta terça-feira, 504 óbitos e 14.279 infectados. Com isso, o Brasil já soma 127.464 mil mortes e 4.162.073 milhões de infectados pelo novo coronavírus. Os estados com maior índice de infectados são São Paulo, Bahia, Rio de Janeiro, Ceará e Minas Gerais.

O que é coronavírus?

É uma extensa família de vírus que podem causar doenças tanto em animais como em humanos. De acordo com a  OMS, em humanos, os vários tipos de vírus podem causar infecções respiratórias que vão de resfriados comuns até a crises mais graves como as provocadas pela síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS) e a síndrome respiratória aguda severa (SRAS). O coronavírus descoberto mais recentemente causa a doença covid-19.  

Como ajudar a quem precisa?

A campanha “Vamos precisar de todo mundo” é uma ação de solidariedade articulada pela Frente Brasil Popular e pela Frente Povo Sem Medo. A plataforma foi criada para ajudar pessoas impactadas pela pandemia da covid-19. De acordo com os organizadores, o objetivo é dar visibilidade e fortalecer as iniciativas populares de cooperação.

Como tirar dúvidas?

A Secretaria Estadual da Saúde recomenda à população e aos profissionais de saúde do RS que entrem em contato com a vigilância epidemiológica de seu município para esclarecimento de dúvidas. Nos horários que as repartições municipais não estiverem atendendo ao público, está disponível o telefone 150 – Disque Vigilância da SES. Questionamentos podem ser encaminhados também para o email disquevigilancia@saude.rs.gov.br

Edição: Marcelo Ferreira