Congresso da COBRAPOL discute luta em defesa da Aposentadoria Policial

Representantes de policiais civis de todo o Brasil, reunidos em Brasília, por ocasião da realização do Congresso Extraordinário da Cobrapol, realizado para debater o projeto de reforma da previdência, a ser remetido pelo governo ao congresso nacional já no mês de fevereiro deliberaram que não aceitam que os policiais sejam incluídos na proposta de reforma geral da previdência.

Uma pesquisa realizada pelo FBSP (Fórum Brasileiro de Segurança Pública) e a Fundação Getúlio Vargas, a expectativa de vida de um policial está bem abaixo do conjunto da população brasileira, variando entre 52 e 58 anos. Um estudo da ONU, colocou a carreira policial na lista das mais perigosas do mundo, estando a frente apenas dos mineiros. Em nenhum país do mundo trabalhadores expostos ao risco de morte, como os policiais são obrigados a trabalhar até os 65 anos. Os policiais, assim como os militares, não recebem horas extras, não possuem fundo de garantia e ainda tem o seu direito de greve vedado pelo STF, o que torna a carreira policial uma profissão com características especialíssimas. Tratar de forma igual os diferentes não é a maneira mais justa de conduzir os debates sobre a necessidade de reformar a previdência no Brasil.

Os participantes do congresso foram unânimes em rechaçar qualquer proposta que não leve em consideração as condições únicas da carreira policial, como foi feito na PEC 287/16. Qualquer proposta nesse sentido, terá a firme resistência dos policiais de todo o país. As entidades policiais estão abertas para um debate qualificado com o governo, afim de que seja formatada uma proposta que assegure o direito à aposentadoria aos (às) policiais do Brasil.

O congresso deliberou pela realização de mobilizações nos estados a fim de conscientizar o poder público e a sociedade acerca das peculiaridades da atividade policial e da necessidade da manutenção da aposentadoria policial. Um novo encontro da Cobrapol, a ser realizado entre os dias 18 e 22 de fevereiro, aprofundará as estratégias de mobilização a serem implementadas.