Orientações para a paralisação da Polícia Civil nos dias 29 e 31 de março

Nos dias 29 e 31 de março, os (as) servidores (as) da segurança pública, vão paralisar suas atividades, em defesa da reposição salarial. A paralisação foi definida em uma reunião das várias entidades representantes das categorias da segurança pública, que definiram os serviços que continuarão sendo atendidos.

Veja, abaixo, as orientações aos (às) Policiais Civis:

1 – A paralisação começará às 8 horas e se estenderá até às 18 horas nos dias 29 e 31 de março;

2 – Em Porto Alegre, a concentração dos (as) Policiais Civis será em frente ao Palácio da Polícia. No Interior do estado e região metropolitana, a orientação é para que os (as) policiais se concentrem em frente às suas delegacias, ou local de trabalho;

3 – A orientação é para que não haja circulação de viaturas. Todas devem permanecer paradas no órgão a que pertencem;

4 – Não haverá cumprimento de MBAs, mandados de prisão, operações policiais, serviço cartorário, entrega de intimações, oitivas, remessa de IPs ao Poder Judiciário e demais procedimentos de polícia judiciária;

5 – As DPPAs e plantões somente atenderão os flagrantes e casos de maior gravidade, tais como: homicídios, estupros, ocorrências envolvendo crianças, adolescentes e idosos, Lei Maria da Penha, além daquelas ocorrências em que os (as) plantonistas julgarem imprescindível a intervenção imediata da Polícia Civil.

6 – O objetivo dos dois dias de paralisação, é a abertura de um diálogo com a população, explicando os motivos da nossa paralisação e todos os problemas da segurança pública no nosso estado, como a falta de efetivo, não reposição salarial e as más condições de trabalho da Polícia Civil. É preciso mostrar à população que a nossa luta é em defesa da segurança pública e que a queda de todos os índices de violência no estado, aconteceu mesmo com a categoria sem reposição salarial há mais de três anos.