Sartori/PMDB, candidato à reeleição, parcela salários dos servidores pela 14ª vez

jose-ivo-sartori-18Já se tornou rotina, pela 14ª vez em seus dois anos de mandato, o governador e candidato a reeleição, José Ivo Sartori/PMDB, parcelou os salários dos servidores públicos estaduais. Dessa vez, foram creditados até R$ 1.800,00 na conta dos servidores. O governo promete quitar os salários de março até o dia 13 de abril.

Desde o início do seu governo, Sartori/PMDB aumentou impostos, aumentou a contribuição dos servidores para a previdência, extinguiu Fundações, demitiu servidores, deu calote nas RPVs, cancelou concursos públicos, atrasou promoções, proibiu investimentos públicos e sucateou a segurança pública, a educação e a saúde. No entanto, os salários continuam sendo parcelados todos os meses.

Governo mente para parcelar salários dos servidores

O principal argumento utilizado no ano passado para o atraso de salários, era a previsão de um déficit de mais de R$ 4,6 bi nas contas do estado, conforme o orçamento aprovado na Assembleia Legislativa. Ao final do ano, o déficit real, de acordo com o próprio governo, foi de R$ 143 milhões. Ou seja, uma diferença de R$ 4,4 bi. Esse é um governo mentiroso, que manipula as contas públicas para parcelar os salários dos servidores. O dito déficit é uma farsa construída, com a conivência da maioria da Assembleia Legislativa, para justificar os ataques aos servidores públicos e à população gaúcha.

UGEIRM retoma Operação Padrão até a integralização dos salários

Conforme aprovado em reunião do Conselho de Delegados, a UGEIRM está retomando a Operação Padrão dos policiais civis, até a integralização do pagamento dos salários. A partir desta sexta-feira (31), até a integralização do pagamento, os agentes da polícia civil seguirão as instruções abaixo:

1 – Não participação nas operações policiais fora do horário de expediente

As operações policiais têm se tornado uma peça de propaganda do governo Sartori/PMDB. Não podemos mais compactuar com a atitude hipócrita do governo, que não paga os salários, mas ao mesmo tempo passa para a população, através de caríssimos anúncios publicitários, a imagem de que está combatendo a violência. Por isso, em todas as reuniões realizadas, a posição foi unânime: toda vez que os salários forem parcelados, os policiais se negarão a participar das operações fora do horário do expediente.

2 – Não trabalhar além do horário do expediente

Outra decisão tomada, foi a de não trabalhar além do horário de expediente toda vez que os salários estiverem em atraso. Essa atitude deve ser tomada mesmo com a promessa de pagamento de horas-extras.

3 – Não concluir procedimentos policiais, exceto Auto de Prisão em Flagrante (APF);

4 – Não registrar ocorrências de fato em tese atípico, perda de documentos, desacordo comercial e outras que possam ser realizadas através da delegacia online.

5 – A UGEIRM também orienta os policiais a dialogar com a população que procura as delegacias e DPPAs, informando os motivos da Operação Padrão e que, assim que os salários forem integralizados, o funcionamento retorna ao normal.