UGEIRM vai retomar campanha pela criação de data-base para negociação salarial

A direção da UGEIRM esteve, na tarde desta terça-feira (19), na Assembleia Legislativa, dando prosseguimento à mobilização pela alteração do índice de 6% de reposição salarial, apresentado pelo governo do estado. Durante as conversas com os (as) parlamentares, além da reivindicação de um índice de reajuste que reponha, no mínimo, as perdas salariais dos servidores públicos, os representantes das entidades levantaram a discussão da necessidade de criação de uma data-base dos servidores públicos estaduais.

A proposta de 6% de reajuste salarial para os servidores, apresentada pelo governador Eduardo Leite no início desse mês, demonstra que a discussão sobre o estabelecimento de uma data-base é cada vez mais urgente. Infelizmente, apesar do discurso de diálogo do governo do estado, em nenhum momento essa proposta foi debatida com os servidores públicos. O índice foi apresentado após três anos de governo, no apagar das luzes do seu mandato, como a única realidade possível, não havendo nenhuma negociação salarial.

Os servidores não podem mais ficar submetidos às vontades dos governantes. A política de revisão salarial tem que ser uma política de Estado, com o estabelecimento de uma mesa de negociação. Nesse processo, o governador vai ter a possibilidade de mostrar os dados econômicos do governo, justificando a sua proposta de reposição salarial. Por outro lado, os servidores poderão apresentar alternativas que possibilitem uma valorização do serviço público. O importante, é que tenhamos claro que a transparência e o debate só favorecem a população do estado, que terá um serviço público mais valorizado e qualificado e uma política transparente de uso do dinheiro público.

 O Presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, destaca que “o estabelecimento de regras claras para a negociação é uma garantia para a sociedade, de que a relação entre governo e servidores acontecerá de forma transparente e democrática. Por exemplo: o governo Eduardo Leite, ao apresentar sua proposta, não respondeu ao questionamento sobre o recorde na arrecadação do estado no ano de 2021. Caso fosse estabelecida uma mesa de negociação, esses dados seriam colocados de forma clara, com o governador tendo a oportunidade de mostrar onde estão sendo aplicados esses recursos, excluindo qualquer suspeita que fosse levantada”. Ou seja, o debate claro e a negociação transparente são importantes para o próprio governante.

A UGEIRM está articulando com as entidades dos servidores públicos, a elaboração de uma nova proposta de lei que estabeleça a data-base dos servidores públicos estaduais. O resultado dessa discussão será levado aos parlamentares, para que a proposta seja apresentada na Assembleia Legislativa. O vice-presidente da UGEIRM, Fabio Castro, ressalta que “os servidores públicos não podem mais ficar com as mãos atadas, tendo que implorar por uma reunião com o governo para negociar um direito como a reposição salarial. Nós vamos manter a luta pela modificação do índice apresentado pelo governo, mas a criação de uma data-base é um mecanismo que vai evitar que passemos novamente por essa situação. Precisamos de um instrumento de Estado, que possa valorizar e qualificar o serviço público. O Governo não pode ter medo do debate e da negociação com os seus servidores”.