Será que o governador Sartori/PMDB está esperando o primeiro cadáver?

carceragem2

Uma tragédia está prestes a acontecer. A direção da UGEIRM esteve na 2a DPPA e confirmou as denúncias. Mais de quinze presos se amontoam em uma cela e uma rebelião é iminente! Onde está o poder público?

Desde o início do desastroso governo Sartori/PMDB a UGEIRM/Sindicato vem denunciando que a política de investimento zero, praticada pelo governo do PMDB, iria destruir as instituições e criar o caos na sociedade gaúcha. Menos de um ano de mandato e a profecia se realiza. O Palácio da Polícia, no coração de Porto Alegre, se tornou um verdadeiro barril de pólvora. Presos, amontoados em celas sem as mínimas condições, ameaçam matar o próximo que der entrada na carceragem. A mesma situação é verificada por toda Porto Alegre e região metropolitana. Isto acontece menos de dois meses depois do Sindicato denunciar a transformação das DPPAs em carceragens.

A UGEIRM ajuizou uma ação civil pública exigindo que a permanência de presos nas delegacias seja imediatamente proibida. O poder judiciário não deu ouvidos. O primeiro pedido de liminar foi negado sob a alegação de tratar-se de fato inusitado, o segundo dormita na mesa do juiz responsável! Será que o poder judiciário também espera um cadáver para agir. O cadáver de um preso ou de um Policial Civil, que corre sérios riscos com a situação. A Polícia está prometendo adotar um procedimento inusitado para garantir a segurança dos policiais e dos presos. O primeiro flagrante lavrado na segunda-feira, virá acompanhado de um imediato habeas corpus pedindo a soltura do preso, sob a alegação de incapacidade de concretizar a prisão, por falta de espaço.

Para o presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, “o poder judiciário ensurdeceu. Fizemos um primeiro pedido de liminar que foi negado, sob a alegação de tratar-se de fato inusitado. Entramos com um segundo pedido de liminar, este dormita na mesa do juiz responsável! até quando? Esse absurdo demonstra a falência do Estado. A ruína a que está sendo levado o Rio Grande pela política de destruição da segurança pública levada a efeito pelo governo Sartori/PMDB, que chega a limites insuportáveis! Será que Sartori/PMDB e o judiciário estão à espera do primeiro cadáver?”