DPPA de Canoas a beira do caos com quase 50 presos nas suas dependências

canoas_06_06_E_webNesta terça-feira (06), todos os limites imagináveis foram ultrapassados. Depois do recorde de mais de 200 presos nas DPPAs da região metropolitana, hoje tivemos quase 50 presos em uma única delegacia. O cenário era o pior possível. Presos espalhados por qualquer canto onde se pudesse colocar alguém, celas totalmente superlotadas, viaturas com presos esperando para entrar na DPPA e vários policiais militares, que deveriam estar nas ruas fazendo o policiamento ostensivo, fazendo a guarda de presos. Enquanto isso, os agentes se desdobravam para tentar garantir a segurança da delegacia e, ao mesmo tempo, tentar a remoção dos presos para algum presídio. A sensação retratada pelos diretores da UGEIRM, que foram para a delegacia, era de um caldeirão pronto para estourar.

canoas_06_06_F_webO risco para os policiais é evidente. A delegacia é um prédio feito e projetado para atender a população. Não foi feito para abrigar presos por mais de 24 horas. Além do risco a integridade física dos policiais, as pessoas que precisam ser atendidas na delegacia ficam expostas ao mesmo risco. É uma total irresponsabilidade do governo Sartori/PMDB.

Além de ficarem submetidos a todo tipo de tensão, os policiais agora têm que lidar com mais uma situação absurda: estão proibidos de falar com a imprensa e relatar a situação a que estão submetidos. Os jornalistas estão proibidos de entrar nas delegacias para mostrar a situação gravíssima em que estão as carceragens e os agentes estão proibidos de falar com a imprensa. É o governo Sartori/PMDB tentando esconder a sua incompetência. A mesma incompetência que o fez anunciar a aposentadoria do Trovão Azul e voltar atrás um dia depois. Hoje o ônibus cela, que já foi interditado pela justiça, está estacionado na Avenida Sertório com presos dentro.

canoas_06_06_B_webTalvez o motivo para essa nova lei da Mordaça do governo Sartori/PMDB, esteja em outubro de 2018, com a sua possível candidatura a reeleição e a necessidade de não mostrar a verdadeira cara do seu governo.

Audiência Pública vai discutir situação das carceragens das delegacias

A pedido da UGEIRM, a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa vai realizar, nesta quarta-feira (07), às 10 horas, uma Audiência Pública para discutir a situação das carceragens das delegacias gaúchas. A ideia da Audiência Pública é fazer uma discussão sobre a situação grave em que se encontram as delegacias e propor soluções para superlotação. O presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, convoca a categoria para estar presente na Assembleia Legislativa. “É fundamental a participação dos policiais na Audiência Pública. É o momento para expor à sociedade e aos parlamentares a situação absurda em que nos encontramos. Já que o governo não deixa os delegados e agentes falarem, vamos para a Assembleia colocar a em público a nossa indignação. Não vamos aceitar mais uma Lei da Mordaça”, convoca Ortiz.

Veja abaixo dois vídeos feitos na DPPA de Canoas: