Governador Sartori/PMDB responsabiliza população pela crise na segurança pública

Foto: Guilherme Santos/Sul21
Foto: Guilherme Santos/Sul21

Na posse do novo chefe da Polícia Civil do Rio Grande do Sul, o Governador Sartori/PMDB fez um discurso que conseguiu constranger todos os policiais presentes. Batendo novamente na tecla da falta de recursos para justificar o caos da segurança pública no estado, o governador acrescentou mais uma desculpa ao seu repertório. De acordo com Sartori/PMDB: “A segurança é tarefa do governo, mas também é tarefa da sociedade”.

A solenidade contou com as presenças, entre outros, do secretário da Segurança, Wantuir Jacini, do ex-chefe de polícia, Guilherme Wondracek, e do governador José Ivo Sartori. O primeiro pronunciamento foi do ex-chefe Guilherme Wondracek. Em seu discurso, o delegado fez um forte apelo por mais incentivos aos policiais, lembrando que os mesmos trabalham além da sua carga horária, devido à falta de pessoal. O ex-chefe de polícia terminou o seu pronunciamento frisando a necessidade de valorizar os policiais, lembrando que chegou a encaminhar à Secretaria de Segurança um pedido de nomeação de novos policiais. Pedido esse que foi negado com a alegação de falta recursos por parte do governo. De acordo com Wondracek “os policiais têm de ser motivados, de alguma forma, nem que seja com promoções, a hora que o senhor (Sartori) puder, faça isso”, encerrou o ex-chefe de Polícia, sendo muito aplaudido pelos servidores.

O novo chefe de polícia, Emerson Wendt, focou o seu pronunciamento nas medidas que serão implantadas visando amenizar a criminalidade em que o estado está mergulhado. De acordo com o delegado Wendt, “a atividade da inteligência pessoal tem que ser reforçada”. O novo chefe de polícia também frisou que a contribuição da sociedade é fundamental para superarmos o momento de crise. “Esse trabalho não é de uma só força, a mudança começa por cada um de nós”, concluiu Wendt.

Governador Sartori/PMDB joga responsabilidade para a sociedade

Encerrando a série de pronunciamentos, o governador Sartori/PMDB, mais uma vez, usou o já surrado argumento da crise financeira para justificar a grave crise da área da segurança e o grande aumento na criminalidade no Estado. O governado afirmou que Wendt terá um “desafio enorme pela frente”, agravado pelos “recursos escassos” e pela atuação do crime organizado.

O governador reconheceu que, apesar da falta de recursos, a Polícia Civil tem trabalhado muito e conseguido resultados que devem ser reconhecidos pela sociedade. “Não podemos prometer o que não podemos cumprir. A segurança é tarefa do governo, mas também é tarefa da sociedade”, concluiu Sartori, pedindo a colaboração da comunidade, exposta à criminalidade, para amenizar a violência no Estado. Ao final do discurso do governador era visível um clima de constrangimento e descontentamento por parte dos presentes. Novamente o governador perdeu uma oportunidade de apresentar alguma proposta concreta para o combate ao aumento da violência no estado.

Um governo sem propostas para a Segurança Pública

A direção da UGEIRM esteve presente na posse. Foi constrangedor ver o governador falar sobre segurança e não apresentar nenhuma proposta concreta. O discurso do governador Sartori/PMDB comprova o que o sindicato vem falando desde a sua posse: este é um governo sem projeto para a área de segurança. O programa do governador Sartori/PMDB para a segurança é a crise financeira, esse é o único discurso. Enquanto o governo fala da crise, os gaúchos estão morrendo em assaltos, ou se trancando amedrontados dentro de casa.

Mas, como se não bastasse a falta de projeto, o governo agora joga a responsabilidade pela crise da segurança para a população. Como se o cidadão tivesse condições de contratar mais policiais, ou pagar os salários em dia. O governador tem que parar de se esconder atrás da crise e assumir as suas responsabilidades, que é investir mais em segurança e dar condições para a polícia combater a criminalidade. A população gaúcha não aguenta mais tanta omissão e incompetência.