Polícia Civil paralisa em todo o Estado contra o parcelamento

paralisa_palacioEm todo o Estado do RS a Polícia Civil amanheceu paralisada nessa segunda-feira. O protesto é um recado ao Governo Sartori: os policiais não vão aceitar o desmonte da segurança pública. O parcelamento dos salários na sexta-feira (31) foi a gota d´água. Se as políticas apresentadas pelo governo Sartori, como o PL 206, já mostravam o seu descaso com a segurança pública dos gaúchos, o parcelamento dos salários mostrou o total descompromisso do governador com os servidores públicos. Sem ao menos aparecer para defender e explicar o corte dos salários, o governo mostra estar totalmente sem rumo. Sem capacidade de enfrentar a crise financeira do Estado.

Em Porto Alegre, os policiais se concentraram, desde cedo, em frente ao Palácio da Polícia, na Avenida Ipiranga. Todos os serviços foram paralisados e vários policiais foram para frente do prédio protestar contra o parcelamento dos salários. Por todo o Estado, recebemos informações de policiais mobilizados e de braços cruzados, paralisando os serviços.

Segunda-feira sob o signo do desgoverno de Sartori

A segunda-feira dos gaúchos amanheceu sob o signo do desgoverno. Servidores sem salários, poucos ônibus nas ruas, cidadãos sem segurança, bancários conseguindo na justiça o direito de não trabalhar por falta de segurança. Tudo isso por que, quem governa o nosso Estado não mostra capacidade de fazer o mínimo, que é pagar os salários dos seus trabalhadores. Os servidores, através da Carta de Porto Alegre (leia aqui), já mostraram que existe outro caminho para enfrentar, de forma consistente, a crise financeira do nosso Estado. Mas, pelo jeito, o governador Sartori prefere seguir o caminho adotado pela maioria dos governantes, atacar os servidores públicos e aumentar impostos, penalizando duplamente a maior parte da população.

Plenárias no Interior preparam Assembleia Unificada do dia 18

Nesta semana a UGEIRM, em conjunto com os outros setores do serviço público, começa a realizar as plenárias pelo interior. Nesta terça-feira (4) será realizada a primeira plenária, em Pelotas. Na quarta-feira (5) será a vez de Santa Maria, seguida por Livramento na quinta-feira (6). Na próxima semana os servidores estarão em Caxias do Sul no dia 11/8, Passo Fundo no dia 12/8 e Ijuí no dia 13/8. Com essas plenárias, as entidades querem mobilizar os servidores e dialogar com a população, mostrando que essa política do Governo Sartori vai acabar com os serviços que atendem a quem mais precisa. No dia 18 de agosto será realizada, no Largo Glênio Peres em Porto Alegre, uma Assembleia Unificada, onde será discutido e deliberado sobre uma greve geral dos servidores públicos do Estado.

Segunda Marcha Segurança Para Todos, no dia 18, será maior ainda!

Os policiais civis vão realizar, no dia 18 de agosto, a segunda Marcha Segurança Para Todos. No dia 7 de julho os trabalhadores da segurança pública realizaram uma mobilização histórica, quando ocuparam as ruas de Porto Alegre, mostrando o seu repúdio às políticas do Governo Sartori para a Segurança Pública. Agora, no dia 18, a promessa é de uma mobilização ainda maior. Para Isaac Ortiz, presidente da UGEIRM, “desde o dia 7 de julho, a situação só se agravou. Nossos salários foram parcelados. A LDO, que não prevê reajuste para os servidores, foi aprovada na Assembleia Legislativa. O PL206, que coloca em risco a implementação da Tabela de Subsídios da Polícia Civil, continua avançando. Então, nós não podemos dar outra resposta, nossa marcha do dia 18 será maior ainda! É nosso futuro que está em jogo”.

Os policiais se concentrarão a partir das 12 horas em frente ao Palácio da Polícia. De lá, partirão em Marcha até o Largo Glênio Peres, onde se juntarão aos outros servidores públicos para participar da Assembleia Unificada. Nela, será discutida a greve dos servidores públicos do Estado. Após a Assembleia, será realizado um Ato Público em frente ao Palácio Piratini.