Polícia Civil RS faz 176 anos sem motivos para comemorar

A Polícia Civil gaúcha completou, neste domingo (03), 176 anos de vida. Para se manter como referência de eficiência e honestidade no país, a instituição já passou por várias crises, superadas pela luta e perseverança dos (as) seus (as) Agentes. Nesse ano em que completa 176 anos, a Polícia Civil do RS passa por uma das crises mais profundas da sua história. Os (as) Agentes chegaram a um ponto onde a desvalorização demonstrada pelo governo, não encontra paralelo em nenhum outro momento. Essa desvalorização, combinada com a submissão a metas absurdas, realização de operações policiais quase diárias, salários atrasados, déficit gigantesco de pessoal e a não realização das Promoções, torna o trabalho policial quase insuportável.

O dia 3 também marca o aniversário da falta de Promoções

Esse dia 3 de dezembro, além de marcar o aniversário da Polícia Civil, registra também o descaso com os (as) Policiais Civis. Esta seria a data de mais uma publicação das Promoções na Polícia Civil mas, infelizmente, ficará marcada como mais uma data de promessas não cumpridas. No atual governo as Promoções se tornaram uma miragem, existentes apenas nos discursos. Em audiência com o Secretário de Segurança, Cezar Schirmer, a UGEIRM ouviu o que já sabia a muito tempo: as Promoções não dependem da secretaria de Segurança, essa é uma questão financeira e, como tal, só pode ser autorizada e viabilizada pela equipe econômica do Governo Sartori/PMDB. O Secretário Chefe da Casa Civil, Fábio Branco, confirmou a informação do secretário Cezar Schirmer e ainda acrescentou que sem a aprovação do Regime de Recuperação Fiscal é praticamente impossível a publicação das Promoções.

Com isso, fica claro que somente a mobilização dos (as) Policiais Civis fará com que o governo publique as Promoções. A não concessão das mesmas é uma escolha política e econômica. O governo tem uma escolha a fazer quanto à aplicação dos impostos que recolhe da população: priorizar a valorização da Polícia Civil e da segurança pública ou pagar fornecedores e conceder isenções fiscais a grandes empresários. Até agora, a escolha do governo tem sido atender os grandes empresários e fornecedores. Difundir na sociedade a visão de que uma Polícia Civil valorizada significa mais segurança para a população, é fundamental para que o governo mude sua ordem de prioridades. Não é fazendo mais com menos que conseguiremos convencer a equipe econômica do governo a valorizar os policiais. É deixando claro que a não publicação das Promoções vai significar menos votos em 2018 e que a população não vai votar em quem não valoriza os policiais, que fará o governador Sartori/PMDB se convencer que investir na Polícia Civil vale a pena.