Sexta (29), policiais farão Dia Estadual de Mobilização contra o parcelamento

Nesta sexta-feira (29), a Polícia Civil, em conjunto com as outras categorias do serviço público, realizarão um Dia Estadual de Mobilização contra o parcelamento de salários. A Polícia Civil e a SUSEPE farão a sua concentração, a partir das 11h30, em frente à Secretaria de Segurança Pública em Porto Alegre. No local, realizarão um Ato Público em protesto contra a falta de política para a área da segurança pública e, particularmente, a superlotação das carceragens das delegacias e a crise no sistema prisional gaúcho.

Após o Ato na Secretaria de Segurança, os policiais civis e os servidores da SUSEPE farão uma caminhada até a Secretaria da Fazenda, onde realizarão um protesto contra o não pagamento dos salários dos servidores públicos no fim de setembro. Após o protesto a caminhada seguirá até o Palácio Piratini, onde se juntarão ao conjunto dos servidores públicos estaduais, para a realização de um grande Ato Público contra os ataques do governo Sartori/PMDB ao serviço público gaúcho.

Os policiais civis do interior, que participarão do Dia Estadual de Mobilização em Porto Alegre, deverão se encaminhar diretamente para a Secretaria de Segurança Pública. Àqueles que não puderem participar do Ato em Porto Alegre, a UGEIRM recomenda que façam atos em frente às delegacias locais, informando a população sobre a atual situação da segurança pública gaúcha e os ataques por que vêm passando a Polícia Civil.

O presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, convoca toda a categoria. “Em setembro ficaremos sem salário no fim do mês, continuamos sem promoções e com nossas aposentadorias bloqueadas. O que será que falta para a polícia tomar as ruas de Porto Alegre? Se não nos mobilizarmos agora, estaremos assinando embaixo dessa política que está acabando com a segurança pública gaúcha, lotando as carceragens das delegacias e colocando em risco a vida dos policiais de plantão e deixando de pagar nossos salários. Temos de mostrar para a população que esse governo vai acabar com o serviço público e destruir a segurança pública. Sexta-feira é dever de toda a polícia civil ir para a frente da Secretaria de Segurança em defesa dos nossos salários”.