UGEIRM visita delegacias da região de Soledade e constata falta de efetivo

A direção da UGEIRM esteve, na última sexta-feira (9), na região de Soledade, visitando também as cidades de Putinga, Arvorezinha e Ilópolis. Os diretores estiveram, também, na cidade de Anta Gorda, porém a delegacia estava fechada, pois a única policial da cidade estava em licença maternidade. A situação encontrada em todas as cidades é muito preocupante para os policiais. O principal problema encontrado é a falta de efetivo em todas cidades, com a maioria das delegacias contando com apenas um policial. Na sede da Regional, Soledade, a falta de policiais é gritante, sendo que, atualmente, somente oito policiais estão lotados na cidade.

DRPA de Soledade

DRPA de Soledade

Com o deslocamento do crime organizado para as cidades do interior, esssa situação representa um risco concreto para esses policiais. A cidade de Putinga viveu uma situação que tende a se repetir cada vez com mais frequência. Uma quadrilha de assaltantes de banco fez, literalmente, toda a cidade de refém. No momento do assalto, apenas um policial civil estava no local. Assaltos desse tipo, que já está sendo chamado de novo cangaço, têm se tornado fraquentes na região. Nessas situações, os moradores ficam a mercê dos bandidos e o único policial corre um sério risco de vida ao trabalhar sozinho. Para piorar a situação, a Brigada Militar (BM) também enfrenta grave déficit de efetivo. Para garantir um mínimo de segurança, as unidades da BM montam equipes mistas compostas de policiais militares dos diversos municípios para fazer o patrulhamento, ou seja, a mesma equipe patrulha várias cidades.

Arvorezinha

Arvorezinha

Além dos riscos que a falta de efetivo representa, nas cidades onde existe apenas um policial, esse colega fica impedido de se qualificar, pois não consegue participar de nenhum tipo de curso, nem concorrer ao trabalho na operação verão. Para gozar suas férias, esse colega depende da designação de um substituto. Um exemplo disso é o caso da cidade de Arvorezinha, onde o único policial lotado na cidade trabalha sozinho há 12 anos.

Putinga

Putinga

A UGEIRM já se posicionou formalmente junto ao governo, afirmando que não é possível manter em funcionamento delegacias com apenas um policial. Uma política de segurança pública minimamente séria teria que fazer um diagnóstico dessas estruturas, verificando a viabilidade da sua manutenção ou não. Qual a necessidade de se manter delegacias com apenas um servidor? Seria a manutenção de poder político de prefeitos e vereadores, ou o pagamento de gratificação de substituição? Em audiência com o Secretário-Chefe da Casa Civil, Fabio Branco, realizada no mês de maio, o sindicato cobrou do governo uma solução para essa situação. A direção da UGEIRM está estudando, inclusive, a possibilidade de ingressar na justiça visando impedir que essa situação prosssiga.

Ilópolis

Ilópolis

Para o presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, “não podemos mais tolerar esse absurdo. Uma delegacia que conta com apenas um agente é um convite para uma tragédia. Nós não podemos mais colocar a integridade física e a segurança dos policiais em risco. O governo tem que tomar uma atitude imediata.”.