Mais de 80 presos lotam as celas das delegacias da Região Metropolitana

As celas das delegacias da região metropolitana continuam lotadas e o governo Leite não toma nenhuma providência. Apesar das constantes denúncias da UGEIRM, o governo do estado continua se movimentando a passos de tartaruga. Enquanto isso, os policiais civis e a população continuam expostos ao risco do contágio pelo Coronavírus, colocando em risco a sua saúde e das suas famílias.

Na semana passada o Sindicato denunciou a situação da DPPA de Canoas, que contava com mais de 30 presos espalhados pelas celas e pelo pátio da delegacia. A situação continua a mesma, com presos há mais de uma semana em suas celas, enquanto outros aguardam em viaturas estacionadas no pátio da delegacia.

Essa mesma situação se repete em toda a região metropolitana. Em Gravataí, Viamão, São Leopoldo e Novo Hamburgo a situação era a mesma, com mais de dez presos em suas carceragens, alguns desde o início do mês. O governo do estado alega que aguarda a inauguração do Presídio de Sapucaia do Sul, porém essa promessa vem desde março e, até agora, o Presídio continua fechado.

A UGEIRM continuará cobrando um posicionamento do Judiciário, para que seja cumprida a decisão do Tribunal de Justiça. Essa decisão determinava a retirada de todos os presos e a proibição de permanência dos detidos nas delegacias do estado. Infelizmente, esse problema, que se arrasta há mais de cinco anos, parece que vai continuar eternamente.

O governo Leite não apresentou, até agora, nenhum projeto claro para solucionar essa questão. Todas as propostas são apenas paliativas, que apenas “apagam incêndios” e não apontam nenhuma solução de longo prazo. Está mais do que na hora, de uma união do Judiciário, do Ministério Público, do Legislativo, das entidades dos policiais e do Executivo, para que seja debatido um projeto de longo prazo para o eterno problema carcerário do estado.