Direção da UGEIRM visita DP de Butiá, depois de assalto a bancos no fim de semana

Prédio da BM foi alvo de tiros dos assaltantes

A direção da UGEIRM esteve, na manhã desta quarta-feira (10), na cidade de Butiá para verificar as condições de trabalho dos policiais da cidade. O município faz parte da região Carbonífera, próximo à capital do estado, e, no último sábado, foi vítima de um ataque a três agências bancárias da cidade. Um bando de, pelo menos, 15 assaltantes fortemente armados, efetuaram ataques com explosivos às agências do Banrisul, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal. Com isso, Butiá entrou na rota dos assaltos a banco que vêm aterrorizando o interior do RS. Esse tipo de assalto já está sendo chamado de novo cangaço, pois se caracteriza pelo ataque de bandos fortemente armados que assaltam várias agências bancárias e, muitas vezes, tomam a cidade de refém.

Policiais estão expostos e sem condições de reagir

Tiros quebraram janelas e quase atingiram policiais.

O quadro encontrado pela direção da UGEIRM em Butiá é preocupante. A falta de efetivo é absurda, no momento oito Agentes estão lotados em Butiá, sendo que quatro deles são responsáveis pelo plantão, restando para os outros quatro todo o serviço de investigação e de cartório da delegacia. É importante ressaltar, que a DPPA de Butiá é uma das únicas de toda a região carbonífera que possui plantão permanente, sendo responsável por atender várias outras cidades da região.

A situação da Brigada Militar na cidade não é melhor do que a da Polícia Civil. No momento do assalto de sábado (6), apenas dois policiais militares realizavam o patrulhamento da cidade, que tem mais de 20.000 habitantes. Esses dois policiais chegaram a trocar tiros com os assaltantes, com um deles sendo ferido de raspão. Durante a ação criminosa, os assaltantes desferiram tiros contra o prédio da Brigada Militar, com um dos tiros passando ao lado de um dos policiais.

A interiorização do crime no Rio Grande do Sul, já é uma realidade que vem sendo construída a algum tempo, com a diminuição expressiva do efetivo policial e a falta de política de segurança pública do governo Sartori/PMDB. Se nenhuma providência for tomada, a situação pode se tornar irreversível. O prefeito de Butiá, afirma que já solicitou ao governo do estado o aumento do efetivo da polícia na cidade porém, até agora, não foi atendido.