Polícia Civil do RS, nova Identidade visual e velhas práticas

Foi divulgada, nesta terça-feira (20), a nova identidade visual da Polícia Civil do Rio Grande do Sul. Na mesma solenidade, que contou com a participação do governador Sartori/MDB, do Secretário de Segurança, Cezar schirmer, e do Chefe de Polícia, Emerson Wendt, também foi assinado o decreto que institui as medalhas do mérito inteligência policial, mérito investigação criminal, mérito gestão administrativa, mérito gestão de polícia judiciária, mérito funcional e selos de eficiência no âmbito da Polícia Civil.

No mesmo momento em que era assinado o decreto que prevê a farta distribuição de medalhas aos policiais, a UGEIRM recebia o balanço do número de presos nas delegacias da capital e da região metropolitana. Noventa e sete presos lotavam as carceragens dessas delegacias. Seguindo a atual situação, o governo terá que instituir uma medalha chamada “vida policial em risco”, a ser entregue aos Agentes que atuam nas delegacias da capital e da região metropolitana. Ao mesmo tempo, terá que reconhecer que o “selo de eficiência no âmbito da Polícia Civil” tende a ficar encalhado na sala do secretário de Segurança.

Governo vai acabar e carceragens continuarão superlotadas

A primeira denúncia de presos colocados de forma ilegal em celas de delegacias gaúchas, foi feita pela UGEIRM em maio de 2015. De lá para cá, o governo passou por vários momentos. No início, alegava que era uma situação temporária e ocasional. Depois disso, passou à fase de apresentação de soluções mágicas. Ônibus Cela, Centros de Triagem e inauguração de novos presídios foram algumas das soluções apresentadas. No entanto, chegamos ao último ano de governo e os policiais continuam com suas vidas colocadas em risco e trabalhando em condições absurdas. No DEIC, são 14 presos superlotando a carceragem. Temos informações que, nos departamentos da capital, os agentes estão tendo que cumprir escalas para ajudar na custódia dos presos, extrapolando as 40 horas semanais de trabalho.

PL36 é uma crueldade com Policiais mortos em serviço

Ao mesmo tempo, tramita na Assembleia Legislativa o PL36, de iniciativa do Executivo, que acaba com a Promoção Extraordinária para os policiais mortos em serviço. Hoje, os Policiais Civis que são mortos em serviço, ou aposentados por invalidez, são automaticamente promovidos à Comissário de Polícia. Pela proposta do governo Sartori/MDB, essa promoção automática acaba, sendo instituída uma gratificação que equipara seu salário ao de um Comissário de Polícia. É, no mínimo, uma ironia que o mesmo governo que institui medalhas de mérito dentro da polícia, acabe com um direito de Agentes mortos em serviço, impossibilitando que esses policiais alcancem o objetivo de todos que ingressam na instituição, chegar ao topo da carreira.