População faz fim de semana de protestos contra a violência

 

serenataO fim de semana, em Porto Alegre, será marcado por atos contra a violência. No sábado (18), de tarde, acontece o primeiro ato, em memória de Mineia Sant Ana, assassinada de forma cruel após ser abordada e levada por assaltantes quando saía do seu trabalho, no Aeroporto Salgado Filho. De acordo com os organizadores, o objetivo é reivindicar mais segurança na área do entorno do aeroporto. “Tememos pelas outras funcionárias que eram amigas dela e também de todas as pessoas que transitam por ali. Estamos arrasados. Iremos com camisetas brancas com a foto dela, os demais de camisetas brancas, pedindo por segurança”, afirma a professora de costura Denise Siqueira, 45 anos, prima da vítima.

Às 10 horas de domingo (19), acontecerá o segundo ato. A “Carreata por mais segurança” terá como ponto de partida o estacionamento ao lado do Estádio Beira-Rio, na Avenida Padre Cacique. O grupo Segurança Urgente, organizador da atividade, pretende tomar as ruas da Capital para chamar a atenção ao combate à criminalidade. Ao final da carreata, na Usina do Gasômetro, serão coletadas assinaturas para um documento, que será levado ao governador José Ivo Sartori, pedindo a intensificação do policiamento ostensivo.

O grupo “Segurança Urgente” é formado por moradores do bairro Tristeza. Eles se organizaram após o assassinato do capitão da reserva do Exército Carlos Norberto Barbosa dos Santos, morto durante tentativa de assalto.

“Queremos conseguir 50 mil assinaturas e já temos 30 mil. Começamos na zona sul de Porto Alegre, mas agora estamos por toda a Capital, defendendo uma causa comum, do cidadão, do direito à vida”, diz o engenheiro eletricista Miguel Barreto Vianna, um dos organizadores da carreata.

Na parte da tarde, a partir das 14h30min, amigos e familiares de Rodrigo Maciel Gonçalves, 17 anos, morto com um tiro no bairro Humaitá, farão a “Caminhada pelo Guigo”. A atividade vai percorrer o Parque Mascarenhas de Moraes, local onde ocorreu o crime. O objetivo é pedir segurança para que não aconteça mais uma tragédia, como a que atingiu Rodrigo Maciel.

UGEIRM também realizará novos atos pedindo mais segurança

A UGEIRM também está programando novos atos contra o desmonte da segurança. Junto com o Bloco da Segurança Pública, o sindicato pretende realizar atos em várias rodoviárias pelo Estado, denunciando a política de desmonte da segurança pública levada à cabo pelo governo Sartori/PMDB. No início do mês o Bloco já organizou um ato no Aeroporto Salgado Filho, denunciando, aos passageiros que chegavam, os riscos de se viver atualmente no Rio Grande do Sul. Com a política de retirada dos investimentos e ataques aos trabalhadores da Segurança Pública, o governo Sartori/PMDB conseguiu causar uma verdadeira epidemia de violência no nosso Estado. Para o presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, “esses atos contra a violência são extremamente importantes como forma de pressão sobre o governo. Porém, é preciso que os manifestantes e a população tenham claro quem são os responsáveis pela onda de violência. As manifestações têm que cobrar do governo Sartori/PMDB, que está acabando com a capacidade da polícia reagir à violência. Pensando nisso, a UGEIRM vai para as rodoviárias denunciar a política homicida do governo Sartori/PMDB. Com esses atos, queremos também mostrar que os policiais estão no limite das suas capacidades. Muitas vezes colocamos a nossa própria vida em risco, trabalhando em condições insuficientes, com salários atrasados. Precisamos do apoio da população para reverter essa situação, inclusive cobrando a contratação dos 650 policiais civis e os mais de 2.000 brigadianos aprovados em concurso.