Sartori/PMDB tem que provar que JBS não recebeu incentivos fiscais

sartori_aecio_anaNa última sexta-feira (22), a UGEIRM divulgou que o governo Sartori/PMDB tinha recebido R$ 2,5 milhões de contribuição de Campanha da empresa JBS (veja aqui a matéria). A mesma que confessou a compra do silêncio do deputado Eduardo Cunha/PMDB. Horas depois, foram divulgadas gravações da delação premiada do empresário Joesley Batista, onde o mesmo confessava que R$ 1,5 milhão dessa contribuição era propina dada ao então candidato a presidente Aécio Neves/PSDB.

O governado Sartori/PMDB já se pronunciou, alegando que não podia saber a procedência do dinheiro que abasteceu a sua campanha. Porém, o governador deve a seus eleitores uma comprovação que essa empresa não foi beneficiada durante o seu governo. A melhor forma de fazer isso, é abrindo a caixa preta dos incentivos fiscais. O próprio Joesley Batista confessou, durante a sua delação, que boa parte das suas contribuições eleitorais eram propinas disfarçadas com o intuito de conseguir incentivos fiscais privilegiados. Portanto, o governador Sartori/PMDB tem o dever de mostrar que a empresa JBL não foi beneficiada no seu governo. A única forma de isso acontecer é dando publicidade à lista das empresas que receberam incentivos fiscais nos três últimos anos.

Se o governador Sartori/PMDB não tomar essa atitude, os deputados estaduais têm que assumir a sua função de poder fiscalizador do poder Executivo e abrir, imediatamente, uma CPI dos Incentivos Fiscais. Essa CPI terá o poder de examinar as empresas que receberam os incentivos fiscais e quais foram os benefícios recebidos pelo estado. Se em Brasília os trabalhadores vão exigir Eleições Gerais Já, aqui, os gaúchos devem exigir CPI dos Incentivos Fiscais Já! Somente assim, poderemos acreditar que o governador Sartori/PMDB não tem, realmente, nada a ver com esse novo escândalo de corrupção.