UGEIRM participou de evento que debateu as diárias da Operação Verão

O Presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, participou, nesta terça-feira (12), de um debate promovido pela ABERGS (Associação dos Bombeiros do Rio Grande do Sul) e pela ASAVIME (Associação dos Salva-Vidas Militares do RGS), que debateu a “Operação Verão que queremos”.

Durante o evento, a ASAVIME apresentou um estudo que faz uma análise da variação dos preços de alimentação e estadia nas várias cidades do litoral gaúcho. De acordo com o estudo, em 2022 seria necessário que as diárias tivessem o valor médio de R$ 344,47, para que fosse capaz de cobrir as despesas com estadia e alimentação no litoral.

Em sua fala durante o evento, o Presidente da UGEIRM destacou que a situação na Polícia Civil é tão grave quanto a do Corpo de Bombeiros. Ortiz lembrou que as diárias dos Policiais também enfrentam uma grande defasagem. Sem reajuste desde 2012, o valor atual de R$ 122,99 não cobre nem a metade do necessário para cobrir os custos da permanência dos policiais no Litoral e também nas viagens cotidianas. A categoria vive, atualmente, a situação de ter que, literalmente, pagar para trabalhar, quando viaja em serviço. Essa realidade, por exemplo, foi responsável por um grande desinteresse da categoria em participar da última Operação Verão. Sendo necessário que a Chefia de Polícia fizesse uma convocação para preencher todas as vagas.

Ortiz ressalta que “é preciso uma mobilização urgente a respeito das diárias na segurança pública. Essa situação é emergencial e precisa ser resolvida imediatamente. Nos outros poderes as diárias tem valores que chegam ao dobro do Executivo. Não é justo que servidores, que atendem diretamente a população, tenham que pagar do próprio bolso para prestar os serviços que são essenciais para a sociedade. Vamos debater entre as entidades, para que façamos uma mobilização conjunta por um reajuste emergencial das diárias de viagem do Poder Executivo. O Rio Grande do Sul vem batendo recordes sucessivos de arrecadação, não se justifica que as diárias de viagem, que são essenciais para o funcionamento do estado, estejam há 10 anos sem reajuste”