Começa paralisação de quatro dias da Polícia Civil

11924813_948371901876217_5372783185974870967_o

Começou a zero hora dessa segunda-feira (31), a paralisação de quatro dias da Polícia Civil do RS. Conforme previsto, neste fim de semana foi creditado o valor de R$ 600,00 nas contas dos Servidores Públicos do Estado. Como havia sido deliberado, a única resposta possível é essa: paralisação de quatro dias e intensificação da mobilização. Por todo o Estado os policiais estão paralisados e mobilizados. Nos municípios, a unidade dos policiais com as outras categorias do serviço público, como professores e brigadianos, é a realidade. Acompanhe como está a mobilização dos policiais e a paralisação do serviço público pela página do Facebook da UGEIRM (https://www.facebook.com/ugeirm.sindicato)

Veja abaixo as orientações da UGEIRM sobre a paralisação:

Por Guilherme Santos/Sul21Conforme a deliberação da Assembleia dos policiais, a nossa greve começou nesta segunda-feira (31), a partir da zero hora e se estende até a quinta-feira (3) às 24 horas.

A UGEIRM orienta que não deve haver circulação de viaturas. Todas devem ser mantidas paradas no órgão a que pertencem.

Também não haverá cumprimento de MBAs, mandados de prisão, operações policiais, serviço cartorário, entrega de intimações, oitivas, remessa de IPs ao poder Judiciário e demais procedimentos de polícia judiciária.

Plantões: as DPPAs e plantões somente atenderão os flagrantes e casos de maior gravidade tais como: homicídio, estupro, ocorrências envolvendo crianças e adolescentes e lei Maria da Penha, além daquelas ocorrências em que os plantonistas julgarem imprescindível a intervenção imediata da polícia civil. Em TODOS os casos deve-se exigir a presença, em tempo integral, da autoridade policial.

Os agentes devem concentrar em frente às DPPAs ou delegacias de polícia, prestando o apoio necessário aos colegas que estiverem de plantão no dia da paralisação.

É fundamental mantermos o diálogo com a população, explicando os motivos da nossa greve. É preciso mostrar a população que a nossa luta é por uma segurança de qualidade, com um serviço público que funcione de verdade. Na verdade, estamos parando para defender a segurança da população.