Policiais impedem fuga na DPPA de São Leopoldo

fuga_sao_leoNa semana em que a Superintendente da SUSEPE declarou, em Audiência Pública, que não tem solução para a superlotação das carceragens das delegacias, e que “a gente vai ter que ir se virando do jeito que dá”, os policiais da DPPA de São Leopoldo tiveram que impedir uma fuga de presos usando da força física. Quatro presos, todos eles considerados de alta periculosidade, tentaram fugir da carceragem serrando as grades e arrombando uma porta. A fuga só não foi concretizada, porque os policiais de plantão impediram fisicamente os presos de alcançar o pátio externo.

Após a tentativa de fuga, a carceragem foi interditada por falta de segurança. No entanto, no momento, 18 presos ainda ocupam as celas, aguardando vagas no sistema prisional. A interdição vai sobrecarregar, ainda mais, as DPPAs de Novo Hamburgo e Canoas, que já sofrem com problemas constantes de superlotação.

Policiais não podem colocar sua integridade física em risco

A UGEIRM vem recomendando que as delegacias se neguem a receber presos além da sua capacidade. Se o governo não sabe o que fazer e ainda diz para ir se virando do jeito que dá, os policiais têm que ser claros e dizer que a única alternativa é seguir a lei. Na segurança pública não podemos aceitar a atitude de se virar. São vidas que estão em jogo. Se um policial for morto durante uma tentativa de fuga, não vai adiantar dizer que aquilo era o que dava para fazer no momento. Para o presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, “o governo Sartori/PMDB já se mostrou suficientemente irresponsável na segurança pública e nós não podemos assinar embaixo disso. Os delegados e agentes têm que se negar a receber presos sem as condições básicas de segurança. Não podemos aceitar que a vida dos colegas e da população que procura as DPPAs sejam colocadas em risco. Esse problema já se arrasta por dois anos e o governo ainda diz que não sabe o que fazer. Isso é um absurdo que nós não podemos aceitar”.