UGEIRM se reúne com deputados na busca por soluções para o salário dos servidores

reuniao_deputados

Enquanto o governo Sartori parece apostar num tensionamento ainda maior com os servidores públicos do estado, em especial com os policiais, os deputados passaram o dia buscando alternativas para colocar em dia o pagamento dos funcionários.

Foi grande a movimentação nos gabinetes e coordenações de bancada, não só dos deputados da base do governo, mas também dos deputados de oposição.

Governo quer “embretar” os deputados

A estratégia do governo já foi toda revelada e os próprios deputados da situação mostram descontentamento com a busca do “quanto pior melhor”. “O governo está querendo uma greve dos servidores para forçar os deputados da base a aprovarem de olhos fechados tudo o que mandar para a Assembleia”, afirmou um assessor de importante bancada governista. “Ele (governo) resolve o problema dos salários, mas quer aprovar aumento de impostos e retirada de direitos dos servidores”, completou o assessor.

O sentimento de que o governo está pouco preocupado com o salário dos servidores se recolhe entre deputados da oposição, mas também nos deputados da base governista.

Líderes da situação buscam solução

Nesta quarta-feira (05), os deputados da bancada governista correram mais que o próprio governo, buscando caminhos que permitam ao menos colocar os salários em dia. O deputado Frederico Antunes, líder do PP, disse que apontaria ao governo alguns caminhos que garantissem o pagamento dos salários. O aumento no uso dos Depósitos Judiciais seria um deles. Ao final da tarde houve encontro dos líderes dos partidos da base governista no Piratini. Na pauta, o movimento do dia 18/08 e a paralisação dos serviços de segurança pública.

PSDB e PDT garantem que “ninguém toca no aumento da polícia”.

O deputado Jorge Pozzobom, líder do PSDB, que também esteve presente no encontro com o núcleo do governo ao final do dia de ontem, afirmou a diretores da Ugeirm Sindicato que está dedicado a encontrar solução imediata para os salários, mas que na conversa com o governo iria deixar bem claro que não aceitaria nenhuma manobra com a lei de subsídio da polícia (pagamento da tabela). “Se o governo quiser mexer no aumento da polícia, eu tô fora”, afirmou o deputado Pozzobom.

Eduardo Loureiro, deputado líder do PDT, revelou que foi muito cobrado pelos policiais de sua região, Santo Ângelo, sobre o fato da LDO não prever verba para o pagamento da tabela do subsídio da polícia. “O aumento dos policiais é lei, é direito garantido”. “Não aceitaremos que mexam no aumento dos policiais”, confirmou o deputado pedetista. Loureiro também esteve na reunião com o governo ontem, buscando solução para o atraso nos vencimentos dos servidores.

Segundo apuramos, esses líderes da situação apontaram o aumento no uso de verbas dos Depósitos Judiciais, de 85% para 95%, como solução imediata para evitar atrasos e parcelamentos salariais.

Oposição aponta vários caminhos para governo pagar em dia

A convite da bancada do Partido dos Trabalhadores, os diretores Cládio Wohlfahrt e Neiva Carla Back Leite estiveram, no final da tarde de ontem, em uma reunião que contou com a participação de entidades representativas de todos os servidores do estado.

Os deputados petistas, com apoio dos demais partidos de oposição na Assembleia Legislativa, PTB, PcdoB, PSOL e PPL, apresentaram um projeto que autoriza ao governo do estado lançar mão de mais recursos dos Depósitos Judiciais que hoje chega aos 85% e passariam para 95%. O valor liberado chegaria a 1 bilhão de reais, segundo a oposição.

Estavam presentes na reunião os deputados Luiz Fernando Mainardi, Stela Farias e Adão Villa Verde, que apresentaram o conjunto de sugestões que estão encaminhando ao governo do estado, como contribuição para solução das dificuldades financeiras anunciadas. A bancada do PT apontou uma série de opções que a médio prazo trariam mais recursos ao caixa do governo, veja abaixo:

– Buscar recursos do COPREV- Compensação Previdenciária que podem chegar a 2,5 bilhões de reais;

– Através do DAER, buscar compensação por obras realizadas em estradas federais, que estima-se em 1 bilhão de reais;

– Negociar 16,5% da CEEE para a Eletrobrás, federalizando uma parte da companhia estadual, mas mantendo ela pública e com maioria de ações da CEEE. Geraria de 600 a 800 milhões de reais;

– Negociar FUNDOPEN e Fomentar, gerando cerca de 800 milhões de reais;

– Por fim, alegaram os deputados petistas que há um novo espaço fiscal para tomada de empréstimos de 2,35 bilhões de reais pelo governo do estado.

PLC 206/15 Lei de Responsabilidade Fiscal

De nossa parte, esclarecemos que não estamos lutando apenas pelo pagamento do salário em dia. “Pagar o salário em dia e integralmente é obrigação mínima do governo”, destacou Neiva Carla, diretora de gênero da Ugeirm Sindicato.” Não queremos nada que possa colocar em risco o pagamento de nossa tabela salarial e o PLC 206 é um ataque perigoso a nossa lei do subsídio” alertou Neiva Carla.

No dia 18/08 a Polícia Civil, agora reforçada dos demais servidores de todas as áreas do serviço público, vão parar Porto Alegre para discutir um movimento grevista. O diretor financeiro da Ugeirm, Cládio Wohlfahrt, reforça o chamamento aos policiais de todo o estado: “no dia 18/08 vamos dar mais uma demonstração de força ao governo. Não vamos aceitar nenhuma retirada de direitos e nenhum ataque a nossa tabela salarial”.