UGEIRM reúne com OAB/RS para discutir soluções definitivas para caos nas carceragens

A UGEIRM participou, na tarde desta quinta-feira (27), de uma reunião com a seccional gaúcha da OAB (ordem dos Advogados do Brasil). O encontro, que, além da UGEIRM e da OAB/RS, contou com a participação da ASDEP (Associação dos Delegados de Polícia do RS), teve como pauta a situação caótica do sistema prisional gaúcho e, particularmente, a superlotação das carceragens das delegacias de Porto Alegre e região metropolitana.

O problema, que vem desde 2015, se agravou nas últimas semanas, chegando a um nível insuportável. Somente nos últimos dias, tivemos um policial baleado em uma tentativa de fuga no DEIC, protesto na DPPA de Novo Hamburgo, caos nas delegacias de Gravataí e de Alvorada e fuga do Centro de Triagem improvisado do Pio Buck. Essa situação limite, levou a UGEIRM a procurar outras entidades para tentar uma reunião com o Tribunal de Justiça do RS,  solicitando providências do Poder Judiciário.

Uma das entidades procuradas, foi a OAB/RS, pelo seu histórico de preocupação com a situação dos presídios gaúchos e a sua representatividade junto à sociedade gaúcha. Na reunião de ontem, a OAB apresentou a proposta de criação de uma frente de trabalho para discutir e propor soluções para a falta de vagas no sistema prisional. A ideia é reunir, além das entidades representativas dos servidores da Segurança Pública, representantes do Judiciário, do Executivo e do Legislativo, assim como Ministério Público e a Defensoria Pública.

Participaram da reunião representando a UGEIRM, os diretores Issac Ortiz, Pablo Mesquita e Fábio Castro e o advogado Fabrício Mottin. Pela ASDEP estavam presentes o seu vice-presidente Wilson Muller Rodrigues e o membro do Conselho deliberativo da entidade, Cleiton Freitas. Representando a OAB/RS, além do seu presidente Ricardo Breier, estava presente a coordenadora-geral da Comissão de Direitos Humanos, Neusa Bastos.

Para o presidente da UGEIRM, Isaac Ortiz, “essa iniciativa é fundamental. A UGEIRM já vem tentando esse diálogo com o governo do estado desde o início dessa crise. A solução do caos no sistema penitenciário é de interesse da sociedade gaúcha e, particularmente, dos policiais que estão com a sua vida colocada em risco diariamente. Esperamos que a mediação da OAB/RS, que é uma entidade com grande representatividade e capacidade, sensibilize o governo e os outros poderes para esse problema tão grave. Precisamos de soluções imediatas e definitivas. Os remendos já se provaram inúteis e só agravaram o problema. Não adianta colocarmos ônibus, containers ou qualquer outra solução mágica. Precisamos rediscutir o nosso sistema prisional e a forma como ele se organiza. Além disso, o governo tem que estar disposto a investir, pois, sem dinheiro não existe solução. A única coisa que queremos nesse momento, é preservar a integridade dos policiais e da população que procura as delegacias para ser atendida”.